"Algumas equipes teriam desvantagem", explica diretor de provas da F-1

Charlie Whiting explicou por que a FIA voltou atrás a respeito da proibição da comunicação via rádio com os pilotos

Charlie Whiting explicou a 'nova mudança' no regulamento
O diretor de provas da Fórmula 1, Charlie Whiting, deu explicações nesta sexta-feira em Cingapura a respeito do recuo da Federação Internacional de Automobilismo na proibição de mensagens via rádio para os pilotos. O inglês explicou que a entidade entendeu que uma mudança tão brusca no meio do campeonato não seria justa em termos de competitividade.

[publicidade] “O que nos levou a adotar essa regra foi que estava claro que a equipe estava fazendo cada vez o trabalho dos pilotos, e isto contradiz o regulamento. Sentimos que essa quebra na comunicação deveria ser tanto do lado técnico como o de pilotagem”, explicou.

“Mas ficou claro que algumas equipes teriam desvantagem. Não por incapacidade de lidar com a mudança, mas por uma questão de equipamento. Existem dois tipos de volante, um mostra muito mais informações que o outro. Isso traria uma injustiça. Assim, decidimos fazer essa mudança em dois estágios.”

Assim, ficou decidido que apenas as informações em relação à pilotagem estão banidas, mas as relacionadas à performance ainda podem ser passadas aos pilotos. Porém, isso vai mudar em 2015. “Seria mais fácil introduzir a novidade só no ano que vem. Mas quando você quer reforçar um ponto do regulamento, precisa agir. É o nosso trabalho.”

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias