Bernie nega envolvimento de Briatore em caso de corrupção

Dirigente, que refuta ideia de ser preso pelo acontecido, afirma que dirigente italiano só ajudou a transferir pagamento de propina

Ecclestone e Briatore

Presidente da FOM (Formula One Management), Bernie Ecclestone negou o envolvimento de Flavio Briatore no pagamento de US$ 45 milhões ao banqueiro alemão Gerhard Gribkowsky, envolvido em um escândalo de corrupção na venda da F-1, em 2005.

No início desta semana, um jornal alemão teria relacionado o ex-chefe de equipe da Renault no envolvimento com o pagamento ao executivo, mas Ecclestone, em entrevista ao "Daily Express", negou a relação de Briatore no caso.

"De forma alguma Briatore está envolvido nisso. Ele fez um pagamento para mim, mas apenas por causa de um pedido meu, após as ameaças de Gribkowsky em me trazer problemas", comentou Ecclestone.

"Ele [Gribkowsky] não queria que o dinheiro fosse pago direto do Reino Unido, então Briatore me fez um favor e, antes que desse problemas, informei o promotor alemão. Por isso, o nome de Briatore apareceu no caso", relatou o inglês, que nega a possibilidade de ir para a cadeia por conta disso.

"Prisão? Vou liderar a F-1 por anos. Estarei fazendo o que faço melhor por um bom tempo, fazendo bons contratos e deixando um monte de gente feliz. Alguns não querem que eu continue. Gosto do que faço, isso é o que julgarei", completou o dirigente de 80 anos.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias