Capelli, sobre Newey: "Percebi na hora que era um gênio"

Italiano pilotou primeiro F-1 assinado pelo projetista, o March 881 de 1988

Ivan Capelli disputa posição com Riccardo Patrese no GP da Bélgica de 1988

A temporada de 1988 na Fórmula 1 foi um tanto monótona, com a dupla da McLaren vencendo 15 das 16 corridas e só deixando um triunfo escapar no “milagre de Monza”, quando a Ferrari de Gerhard Berger venceu dias depois da morte de Enzo Ferrari após herdar a liderança de Ayrton Senna quando o brasileiro se enroscou com um retardatário.

Mas havia uma revolução acontecendo no meio do pelotão. O March 881 foi o primeiro carro de F-1 assinado por Adrian Newey e empurrou a equipe para a sexta colocação no mundial, apenas um ponto atrás da Lotus e à frente da Williams. O carro levou o italiano Ivan Capelli a dois pódios na temporada. O TotalRace falou com o ex-piloto.

“Quando vi o primeiro carro desenhado por Adrian Newey, percebi na hora que ele era um gênio: pela maneira com que tinha construído o modelo e por uma série de detalhes refinados. Infelizmente, depois ele saiu da March porque recebeu uma proposta vantajosa da Williams, que o permitiria crescer também”, contou Capelli.

O hoje comentarista de Fórmula 1 no canal italiano RAI é um confesso admirador do trabalho de Newey. “Levando em conta tudo, acho que Adrian é o único gênio que encontra as ideias do futuro da Fórmula 1. Os outros, pelo que vimos, o copiam e buscam se aproximar da sua perfeição, mas não arriscam. Isso é um pouco preocupante para as outras equipes porque ninguém inventa algo de novo. À exceção talvez de Ross Brawn, que há dois anos trouxe o difusor duplo, mas era algo também no limite da legalidade”, analisou Capelli.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias