Com capacete alusivo a Senna, Hamilton domina segunda sessão

Inglês foi o melhor tanto com pneus médios, quanto com macios; Massa é sexto, Bruno Senna 12º e Barrichello, 18º

Hamilton começou bem o GP do Brasil

Lewis Hamilton dominou praticamente de ponta a ponta a segunda sessão de treinos livres. Seja testando com os pneus médios ou macios, o inglês foi o mais rápido, seguido de Sebastian Vettel e Mark Webber. Jenson Button ficou mais atrás, em sétimo, após não encontrar bom rendimento com o composto mais mole. Fernando Alonso foi o quarto e Felipe Massa, o sexto, após Michael Schumacher se colocar como 'intruso' na briga dos grandes.

Já o desempenho de Bruno Senna mostrou que a briga para a Renault deve ser para entrar no Q2. O brasileiro melhorou bastante com os pneus macios, mas terminou o dia em 12º, menos de um décimos atrás do companheiro Vitaly Petrov. Rubens Barrichello e a Williams, por sua vez, tiveram um dia ruim, ficando apenas à frente das equipes nanicas durante todo o treino. O brasileiro fechou  dia em 18º, uma posição atrás do companheiro.

A segunda sessão de treinos livres começou como terminou a primeira, com McLaren e Red Bull lutando décimo a décimo pela ponta. Desta vez, no entanto, Button e Hamilton deixaram Webber para trás. Estreando seu capacete em homenagem a Ayrton Senna, o campeão de 2008 liderou grande parte do treino.

As Ferrari de Alonso e Massa completavam o top 6, mas andando cerca de meio segundo mais lentas que as ponteiras. A dupla ferrarista chegou até a ser ensanduichada pelas Mercedes, com Schumacher à frente. Os ferraristas tinham problemas em segurar o carro na parte do miolo da pista.  O espanhol, que havia abandonado a primeira sessão nos últimos minutos, teve de trocar de motor e usou um dos que já havia utilizado durante o ano para escapar de punição.

Com uma hora para o final do treino e cada equipe adotando uma estratégia em relação aos pneus – a Pirelli trouxe para o GP Brasil um jogo a mais de um composto experimental que estuda introduzir ano que vem, as Renault e as Williams ocupavam as últimas posições antes das nanicas: Petrov comandava o pelotão, dividido em menos de meio segundo, que seguia com Senna, Maldonado e Barrichello.

No decorrer do treino, as Ferrari se aproximaram mais dos líderes e, com 45 minutos para o final da sessão, antes dos pneus macios começarem a ser utilizados, os seis primeiros estavam separados por menos de um segundo.

Bruno Senna chegou a ocupar a nona colocação ao ser um dos primeiros a utilizar pneus macios, melhorando quase 1s5 em relação a seu tempo anterior. O brasileiro seria superado pelo companheiro Petrov por menos de um décimo. Também se aproveitando do rendimento dos pneus macios, Schumacher pulou momentaneamente para a liderança e Rosberg subiu para terceiro.

Os tempos na ponta não caíram muito com o pneu macio. Tanto, que o tempo inicial de Schumacher  acabou o deixando entre as Ferrari. A simulação, aliás, só serviu para a Ferrari ficar mais próxima de Red Bull e McLaren.

Mesmo após as simulações com pneu macio, a Williams seguiu nas últimas posições, com Maldonado em 17º e Barrichello em 18º.

Faltando onze minutos para o final, a Sauber de Sergio Perez deixou o mexicano na mão, em um dos únicos momentos de bandeira amarela na sessão.

Resultado da segunda sessão:

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Tipo de artigo Últimas notícias