Ex-piloto de F-1 Tomáš Enge leva gancho de 18 meses por uso de drogas

Segundo disse em redes sociais, tcheco está confiante que a justiça possa esclarecer o mal entendido e retirar a pena imposta

O tcheco Tomáš Enge foi suspenso por um ano e meio em virtude de sua prova e contraprova de exame antidoping terem dado positivo. O ex-piloto afirma que alguns remédios que costuma utilizar para tratamentos, têm substâncias consideradas proibidas, e que já havia pedido permissão da FIA.

"Saudações a todos os meus fãs e simpatizantes ", escreveu ele em sua página pessoal no Facebook. "Gostaria de informá-los sobre a punição que foi dada a mim por uso de drogas livres e disponíveis. Como eu informei após a corrida em Navarra, substâncias proibidas foram encontradas. De acordo com a legislação antidoping, o atleta é responsável pelo uso, mesmo inconsciente, de uma substância proibida. Acho que a punição foi um mal-entendido. Já pedi à FIA para permitir o uso de medicamentos contendo uma substância proibida para o tratamento de problemas cardiovasculares. Espero que o Tribunal de Recurso se sensibilize e tenha sucesso. Obrigado a todos pelo apoio."

Enge também falhou em um teste de drogas em 2002, fato que lhe custou o título daquele ano da F3000 Europeia. Na Fórmula 1, entrou substituindo o brasileiro Luciano Burti, que sofrera um grave acidente na corrida de Spa-Francorchamps, Bélgica, naquele ano.

De extensa carreira internacional no automobilismo, o piloto de 35 anos correu na Prost GP na Fórmula 1, na Fórmula Indy e foi campeão das 24 Horas de Le Mans na categoria GTS. Atualmente estava disputando a terceira temporada seguida do mundial de GT1, campeonato que já havia vencido quatro provas e ido inúmeras vezes ao pódio, inclusive nesta temporada.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias