Exclusivo: Barrichello teme por segurança de pilotos no Bahrein

Em entrevista ao TotalRace, piloto da Williams e presidente da GPDA avalia decisões da FIA e pré-calendário do Mundial 2012

Barrichello no GP do Bahrein de 2010

Após o anúncio do retorno do GP do Bahrein ao calendário da Fórmula 1, em prova a ser realizada no dia 30 de outubro, os pilotos começam a demonstrar insatisfação com a posição da FIA.

O primeiro a deixar claro o descontentamento foi Mark Webber, da Red Bull. Em entrevista exclusiva ao TotalRace, Rubens Barrichello fez coro com o australiano.

“Gostaria de deixar claro que adoro a pista e o evento em si. Porém, quero ter certeza que estaremos seguros por lá”, disse o piloto da Williams. “Nas reuniões da GPDA (Associação dos Pilotos da F-1) todos demonstraram preocupação e exigiram segurança para que a corrida acontecesse no Bahrein”, declarou o brasileiro, que é o presidente da GPDA.

Barrichello afirma que a parte logística, que será bastante afetada com as mudanças anunciadas pela entidade que controla o automobilismo, é o menor dos problemas que os pilotos enfrentarão. “Naturalmente teremos um deslocamento maior e mais trabalho. As equipes trabalharão dobrado. Mas para nós, os pilotos, o que realmente importante é a segurança. O resto é resto”, finaliza sobre o assunto Barrichello.

A indefinição da data do GP da Índia não representa um problema a Barrichello. Seu amigo Felipe Massa, no entanto, deve estar de cabeça quente. “O Desafio das Estrelas estava marcado para o dia 4 de dezembro. A prova da Índia, seja qual for a data, irá atrapalhar o planejamento do Felipe e dos convidados”, disse o piloto da Williams.

Sobre o pré-calendário de 2012, também divulgado na última sexta-feira, o brasileiro afirma não temer a maratona de 21 corridas, número que ultrapassa a meta declarada por Bernie Ecclestone de 20 provas por Mundial.

“Eu achava difícil competir em um fim de semana, com todo aquele stress, para depois viajar e na terça já estar testando. Testava terça, quarta e quinta. Aquilo realmente desgastava”, fala o recordista de corridas disputadas na F-1.

“Em uma corrida fazemos 300 quilômetros. Em um dia de treinos ultrapassamos 600. É algo muito difícil. Claro que com calendário de 21 corridas a parte de logística fica no limite. Viajamos muito, mas ainda acho que cansávamos mais com os testes do passado”, finaliza Barrichello.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias FORMULA 1
Pilotos Rubens Barrichello
Tipo de artigo Últimas notícias