Morte de Senna salvou muitas vidas nas estradas, diz ex-dirigente

Max Mosley lembra que políticos chegaram a tentar banir a categoria após acidentes de 1994

O choque causado com as mortes de Roland Ratzenberger e, principalmente, Ayrton Senna, durante o GP de San Marino de 1994 acabou salvando milhares de vidas. É o que destaca o ex-presidente da Federação Internacional de Automobilismo, Max Mosley. Pressionada para aumentar o nível de segurança, a Fórmula 1 acabou adotando padrões que melhoraram a prevenção de acidentes nas estradas pelo mundo.

“Aquilo catalisou a mudança nas estradas e literalmente salvou milhares de vidas. Essa é a verdade. Sem aquilo, nunca teríamos os crash tests, nem a legislação que aumentou os níveis de segurança”, defendeu o ex-presidente da FIA à Reuters. “Tudo isso começou com o acidente de Ayrton. Para mim, quando eu sentar em minha cadeira de balanço daqui alguns anos, é isso que vai importar.”

O advogado comparou o nível de risco das corridas dos anos 60 e 70 aos fronts de guerra. “Você costumava falar com os dirigentes do esporte e dizer ‘o risco é desnecessário’ e eles respondiam que ‘eles estão aqui porque querem’. Lembro de pensar na época que você poderia praticar o esporte sem se matar. Dá para aceitar o risco, mas não muito. Era como estar na linha de frente no Vietnã ou algo do tipo”, compara.

O nível de segurança foi aumentando com o tempo, mas os acidentes de Rubens Barrichello, Roland Ratzenberger e, principalmente, Ayrton Senna no mesmo final de semana, em Imola, 1994, demonstraram que muito ainda precisava ser feito.

“Acho que as pessoas estavam começando a pensar que ninguém morria. E ainda estava muito óbvio que era muito mais perigoso do que precisava ser. E claro que são estatísticas. Nunca é seguro. É como aviação. O que você pode fazer é reduzir a probabilidade, mas nunca será totalmente seguro.”

Mosley lembrou que o impacto da morte de um personagem tão forte como Senna – “considerado o número um até pelos outros pilotos” – fez com que as pesquisas sobre segurança avançassem mais rapidamente. “O doutor Sid Watkins fez uma pesquisa muito séria, o que não seria possível sem o acidente porque ele não conseguiria reunir o comitê que reuniu”, acredita. “Se não tivesse ocorrido o que aconteceu com o Ayrton, dali uns quatro anos outro morreria. Naquela época, tinha até políticos querendo banir a Fórmula 1. Algo tinha de ser feito e tinha que ir além da Fórmula 1.”

As pesquisas do médico da categoria acabaram criando bases para a segurança nas vias. “Se você pergunta ‘o que a F-1 fez para a sociedade?’, dirá que, infelizmente, Senna e Ratzenberger acabaram representando um passo grande na segurança que afetou milhares de vidas. Isso é certo. Sem aquilo, os avanços teriam demorado uns 15 a 20 anos.”
 

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias