Para Burti, novo regulamento não deixou as corridas artificiais

Para o comentarista e ex-piloto de F-1, a asa traseira móvel "só serviu para deixar os caras lado a lado na freada"

Com ou sem asa, temos visto muitas disputas por posição em 2011

Até 2010, a Fórmula 1 travava uma longa batalha para que o número de ultrapassagens aumentasse nas corridas da categoria. A “Cruzada” por manobras mais frequentes não havia atingido seu objetivo com nenhum regulamento dos últimos anos.

Foram adotadas em 2011 diversas mudanças nas regras do esporte, como asas traseiras móveis, Kers e pneus da Pirelli com alta degradação. Muitas ultrapassagens foram realizadas nas quatro primeiras etapas, mas as críticas continuam. No caso, ao artificialismo de algumas manobras.

O ex-piloto de F-1 e hoje comentarista da TV Globo, Luciano Burti, aprova todas as novidades.“Acho que o problema é que o ser humano sempre dá um jeito de criticar tudo. Acho que está tudo muito certo, a asa funciona muito bem. Em alguns momentos, quando o piloto de trás já vem com velocidade maior, a ultrapassagem ficou mais fácil. Em outros casos, não. O dispositivo só serviu para deixar os caras lado a lado na freada”.

Na Turquia, vimos muitas disputas em curvas, Button, Hamilton, Rosberg, Massa, nem lembro quem mais, porque foram tantos. O regulamento, para mim, tem sido muito eficiente. Os pneus com alto desgaste têm ajudado nessa bagunça durante a corrida. E a asa tem proporcionado ultrapassagens. Para quem estiver reclamando, eu sinceramente discordo. O regulamento é eficiente e mantém corrida interessante o tempo todo. Não dá para desligar até o final”, acrescentou Burti.

Sobre as declarações de Paul Hembery, diretor esportivo da Pirelli, ao TotalRace, de que quatro paradas, como aconteceu na Turquia na maioria dos carros, é um número alto, o que pode deixar a corrida incompreensível ao torcedor, Luciano Burti dá sua opinião. “Cada caso é um caso, é difícil generalizar. Algum carro apresenta equilíbrio nos treinos e na corrida a coisa muda”.

Em Istambul, alguns carros sofreram com bolhas, que está relacionado com temperatura muito alta. Temperatura muito alta, por sua vez, está ligado à falta de aderência, porque o pneu escorrega um pouco mais. O asfalto era bem abrasivo. Vi Rosberg e Webber com bolhas. Até entendo a Pirelli achar que três paradas é o suficiente. Mas o Vettel, por exemplo, só parou a quarta vez por segurança, já que corrida estava garantida. Deve ter pensado que se houvesse um safety-car os carros ficariam colados nele com pneus umas cinco, sete voltas mais novos. Não precisava da parada. Foi preventiva mesmo”, finalizou Burti.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias