Stefan Bellof: 30 anos da morte do talentoso piloto

Campeão mundial de protótipos em 1984, o alemão morreu em um acidente em Spa no ano seguinte. Stefan Bellof também corria de F1 e era apontado como um futuro campeão

Um dos pilotos mais promissores que passaram pela Fórmula 1, o alemão Stefan Bellof morreu no dia 1o de setembro de 1985. Nesta terça-feira, o mundo do automobilismo faz as homenagens ao piloto que faleceu com apenas 27 anos.


Ayrton Senna e Alain Prost são apontados como os gênios que marcaram a metade dos anos 80 e o início dos anos 90 na Fórmula 1.

Mas o que poderia ter acontecido se Bellof não tivesse tomado a decisão fatal de fazer uma tentativa que aparentava ser impossível de ultrapassar Jacky Ickxx com um Porsche 962 durante uma corrida de protótipos em Spa-Francorchamps?

GP de Mônaco 1984

Os “se” e “mas” podem talvez parecer mais plausíveis se forem colocados no contexto do GP de Mônaco, em junho de 1984.

Bellof, assim como o futuro tricampeão Senna, estava em sua sexta corrida na categoria. Se a prova não tivesse sido interrompida, ele (com um ritmo mais veloz) poderia ter superado Prost e Senna e conquistar uma vitória sensacional.

O alemão completou a prova em terceiro com uma ultrapassagem incrível sobre a Ferrari de Rene Arnoux na Mirabeau.

Há uma ironia em relação àquela interrupção. Foi Jacky Ickx o responsável por ter ordenado a bandeira vermelha em razão das condições climáticas na pista do Principado. Prost foi o vencedor, seguido por Senna e o próprio Bellof.

O terceiro lugar de Bellof, porém, foi anulado posteriormente em razão de irregularidades no carro da Tyrrell naquela temporada. A escuderia britânica teve todos os seus resultatos cancelados pela antiga Federação Internacional de Esportes a Motor (FISA), braço esportivo da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

Na F1, Stefan Bellof competiu apenas em 20 corridas entre as temporadas 1984 e 1985. Mas sua tragédia foi em outra competição que disputava em paralelo – Campeonato Mundial de Protótipos.

Eau Rouge

Para os que o conheciam de perto, todos sabiam que Stefan jamais recuava de uma chance de ultrapassar, mesmo se fosse uma das curvas mais desafiadoras do automobilismo como a Eau Rouge. Alguns disseram que aquela manobra foi irresponsável, outros que era apenas corrida.

A reputação de Bellof naquele momento era de ser arrojado, mas de tomar riscos desnecessários e de forçar. Antes do acidente fatal, houve alguns avisos.

Na prova dos 1000 km de Fuji, Bellof foi um segundo mais rápido que os rivais Jochen Mass e Jacky Ickx, apesar de ter andado com o pneu traseiro dianteiro desgastado por um erro da equipe.

Na corrida, Bellof tinha um desempenho muito acima dos demais e caminhava para mais uma vitória na competição (foi campeão mundial de protótipos daquele ano). No entanto, mesmo com a vantagem, Bellof nao reduziu o ritmo em uma tentativa de dar uma volta em Pasquale Barbiero, de uma outra categoria, saiu da pista, e o rival acabou batendo no centro médico.

O alemão era um piloto fantástico, com habilidades incríveis e também nenhum filtro. Permanece como um talento intocável que talvez jamais tenha havido no automobilismo. Passou por diversas categorias e conquistou uma legião de fãs no automobilismo (e até mesmo entre rivais) que estarão hoje saudando em sua homenagem.

Durante as 6 Horas de Spa deste ano, Timo Bernhard falou ao motorsport.com sobre as suas lembranças de Bellof. “Tinha apenas quatro anos quando ele morreu, mas realmente me lembro quando foi anunciada sua morte na TV alemã. Lembro de ter ficado chateado.~

“Acredito que o Stefan ajudou no crescimento da popularidade do endurance, porque ele foi um dos primeiros pilotos jovens de monopostos a ser bem sucedido, e mostrou o caminho. Ele é um ídolo para mim, embora nunca tenha estado com ele. Ele era um piloto genuíno. Ele era ‘o cara’”, completou.

Hans-Joachim Stuck teve a oportunidade de correr ao lado de Bellof e afirmou que conseguiu aprender muito com colega sobre o Porsche 956 durante a curta parceria.

“Stefan me ensinou como guiar esse carro, como usar o efeito-solo, os freios nas curvas e a como lidar com as zebras. Stefan era muito, muito rápido. Fizemos uma corrida juntos em Ímola e vencemos. Tenho muito orgulho de de dizer que estava em um carro com Stefan, porque ele era especial. Ele tinha um jeito com o carro que muitos não tinham. Ele era também um bom garoto e fiquei muito triste quando nos deixou”, comentou.

Bellof morreu em razão dos ferimentos ao se tocar com Ickx em uma tentativa de ultrapassagem na Eau Rouge. O alemão bateu de frente com seu Porsche na barreira de pneus, e o carro ainda pegou fogo. Os comissários precisaram de mais de 10 minutos para retirá-lo do carro e o piloto foi declarado morto ao chegar no hospital. O rival, por sua vez, deu mais sorte de bater de lado e sair ileso do impacto. 

 

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1 , Endurance , Le Mans
Pilotos Stefan Bellof
Tipo de artigo Conteúdo especial