Vettel celebra honestidade e "uma das provas mais difíceis"

Mesmo com prova acidentada, alemão foi sexto e se tornou o tricampeão do mundo mais jovem da história

Sebastian Vettel parecia ainda processar o que havia acabado de lhe acontecer quando se sentou para sua primeira coletiva de imprensa como tricampeão do mundo. Emocionado nas primeiras respostas, principalmente quando citou a conquista justamente na cidade de outro tricampeão, Ayrton Senna, o alemão descreveu o GP do Brasil como “uma das corridas mais difíceis da carreira” e deu cutucadas em Bruno Senna, que quase o tirou da prova na primeira volta, e nas atitudes da Ferrari para permitir que Fernando Alonso seguisse vivo na disputa do título até a última prova.

“Foi uma corrida em que tudo o que podia dar errado deu. Fomos para último, colocamos pneu de seco uma volta antes de chover e até o rádio parou de funcionar. Tínhamos dificuldades com o carro que ficou muito lento nas retas, o que deixou mais difícil as ultrapassagens. Felizmente, porém, o ritmo estava bom e conseguimos chegar bem. Mas foi muito estranho perder o rádio, ainda mais nessas condições, em que você mais precisa. O público teve seu show, mas foi muito difícil.”

O alemão brincou ao descrever como se sentiu na primeira volta, quando caiu para a última posição ao ser tocado por Bruno Senna. “Na primeira volta, me senti exatamente como estou agora, com todo mundo me encarando. Sabíamos pela volta de apresentação que a curva quatro estava muito escorregadia, e acho que Bruno não se lembrou disso. A largada foi boa, aí o Mark me pressionou muito no lado esquerdo, eu tive de frear mais cedo e comecei a perder posições. Então, não estava no melhor lugar para fazer a curva quatro.”

Vettel salientou ainda seu orgulho por vencer o campeonato de maneira honesta, como definiu, deixando claro que não concorda com a maneira que a Ferrari lidou com a disputa do título. “Muitas pessoas tentaram usar artifícios sujos, certas coisas que, do nosso ponto de vista, estavam além do limite. Nunca nos irritamos ou nos distraímos por isso. Sempre fui criado para ser honesto. Acho que é por isso que vencemos.”

O momento de maior emoção para o alemão foi quando ele outro tricampeão, Ayrton Senna.  “Estamos em São Paulo, a cidade em que Ayrton Senna nasceu e onde ele está enterrado. Aqui consegui o terceiro título... não sei o que dizer”.

Apesar da fundamental sequência de quatro vitórias seguidas, entre Cingapura e Índia, o campeonato de Vettel não foi tranquilo desde o início. O alemão revelou que tinha dificuldades com o RB8 nas primeiras provas. “No começo do ano, não conseguia usar meus truques, o carro não respondia bem ao meu estilo porque não tinha aderência suficiente na traseira. Tentamos de tudo e aí ele foi melhorando aos poucos.”

Com o resultado, Vettel se tornou não apenas o tricampeão mais jovem da história, como também o primeiro a levar o título sem ter ganhado uma prova sequer na Europa. O alemão é, ainda, o terceiro a conquistar três títulos consecutivos, como fizeram Juan Manoel Fangio e Michael Schumacher.

Quarto colocado, o companheiro de Vettel, Mark Webber, acredita que tirou o máximo de sua Red Bull no GP do Brasil e cumprimentou o alemão pelo título.

“Não fomos particularmente fortes hoje em termos de ritmo e Seb e eu estávamos muito vulneráveis nas relargadas, assim como na largada com slicks. Acho que consegui o que conseguiríamos o máximo que podíamos hoje e tomamos a decisão acertada com os intermediários. Sebastian obteve um grande feito, temos de tirar o chapéu para ele. A temporada acabou rápido, com vários vencedores diferentes, altos e baixos, muitas batidas e algumas boas vitórias. Estou ansioso para dar uma para, recarregar as baterias e voltar com tudo em 2013.”

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Pilotos Mark Webber , Sebastian Vettel
Tipo de artigo Últimas notícias