Você sabia que um campeão da F-1 não corria no dia 13?

A categoria tem histórico em evitar o número, que atualmente está com o azarado Pastor Maldonado

Que a superstição com o número 13 é grande na Fórmula 1, você já deve saber. Afinal, enquanto a numeração respeitava a colocação das equipes no campeonato de construtores – além do número 1 ser dado ao campeão entre os pilotos – até o ano passado, o numeral era simplesmente ignorado.

Mas sabia que um campeão mundial simplesmente não corria se uma prova fosse realizada em um dia 13? Trata-se do neo-zelandês Denny Hulme, campeão da temporada 1967 e que disputou 10 temporadas na categoria.

[publicidade] Recentemente, a “maldição” do 13 tem sido implacável com o piloto que decidiu trazer de volta o número para o grid: Pastor Maldonado. Como o 13 é sinal de sorte entre os jogadores de beisebal, principal esporte de seu país, a Venezuela, o piloto resolveu escolher o número para acompanhá-lo pelo resto da carreira agora que o sistema de numeração na Fórmula 1 mudou.

O resultado? Nas sete provas disputadas até aqui, Maldonado sequer largou em uma, abandonou em duas oportunidades e tem como melhores resultados dois 14º lugares. Perguntado se havia se arrependido da escolha, o piloto da Lotus só disse que “não”.

Antes de Maldonado, o número 13 só havia aparecido uma vez na história da Fórmula 1, com o mexicano Moises Solana, que acabou não completando a única prova que fez na categoria.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias