Hinchcliffe:"Tudo voltou ao normal e isso é muito bom!"

Em entrevista exclusiva ao MOTORSPORT.COM, piloto da Schmidt Peterson falou sobre a volta às pistas, após teste em Road America

James Hinchcliffe, que sofreu um grave acidente no Indianapolis Motor Speedway em maio, esteve de volta ao volante de um carro de corrida. Pilotando seu #5 da Schmidt Peterson Motorsport-Honda em Road America, o piloto canadense fez um dos melhores tempos do dia. Com exclusividade ao MOTORSPORT.COM, Hinch falou sobre seu retorno:

Motorsport (MS): Seus tempos fazem parecer que você nunca esteve ausente...

James Hinchcliffe (JH): Sim, fui melhor do que imaginava. Do ponto de vista físico, eu esperava estar muito cansado no final do dia, especialmente pelo que os outros rapazes que testaram me diziam na semana passada. Mas acredito que pelo trabalho que fiz na academia acabou me ajudando.

MS: E você está apto a guiar seu carro de rua, então seus braços não estão cansados, é isso?

JH: Exatamente. Acho que a única parte do meu corpo que estará dolorida amanhã será a parte de trás do meu pescoço, por causa das freadas. Foi o que Charlie Kimball me alertou, quando ele acordou no dia seguinte, seu pescoço estava doendo porque você freia em cima. Quando a equipe me perguntou o que precisamos quando voltarmos a um fim de semana de provas, eu disse:'freios melhores'. Não porque os que possuímos são ruins.

MS: Quantas voltas você deu?

JH: Por volta de 60, numa pista de quatro milhas... é muito bom, porque você passa por muito tempo nas retas, mas as partes de baixa também são longas.

MS: Havia algum ponto da pista em que o intimidava? Pergunto isso porque se acontece algum acidente, não há como ser algo pequeno lá.

JH: Sim, uma parte de mim gostaria que essa volta fosse em Sebring, pelo fato de ter boas áreas de escape, traçado lento, além de conhecer o traçado como a palma da minha mão. Mas para ser honesto, Road America é o meu circuito misto favorito e eu queria correr com um carro de Indy por aqui desde a primeira vez que fui lá em 2004. Então, começar a fazer isso foi incrível. E isso me forçou a me adaptar rapidamente. Foi muito divertido.

MS: Aposto que você está contente pelos carros terem câmbio-borboleta

JH: Dependendo quão tarde você freia, sim, absolutamente. Em dias de freios de aço, em zonas de frenagens muito longas, o câmbio não foi um problema. Mas comm o downforce que temos agora, estamos reduzindo marchas até o máximo em algumas curvas. Incrível.

MS: Quão bem seus tempos estavam?

JH: Bem, não há tempos oficiais, obviamente. Os carros da Andretti estavam com peças novas da Honda e a Firestone estava testando diferentes compostos. Então Ryan foi o mais rápido entre nós, mas sei que ele estava usando pneus experimentais, então não era para nos atentar com os tempos. Mas estávamos lá e relativamente satisfeitos e pude ver progressos desde a última vez que guiei em circuito misto, mais ou menos em maio.

MS: Bem, você está liberado para guiar e não houve nervosismo no primeiro dia de volta ao volante. A partir de agora, suponho que você e sua equipe vão apenas prosseguir com os testes off-season como de costume, correto?

JH: Sim, absolutamente. Estarei nos testes de pneus em Sebring em meados de outubro. Tudo volta ao normal, e isso é muito bom!

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Pilotos James Hinchcliffe
Tipo de artigo Entrevista