Sabia? Nome de Christian Fittipaldi é homenagem a piloto morto em Le Mans

Wilsinho Fittipaldi reconta história de como batizou o filho e fala sobre coincidência de vê-lo correr em Le Mans anos depois.

Christian Heins. Talvez você nunca tenha ouvido falar neste nome. Filho de mãe italiana e pai alemão, ele foi um dos primeiros pilotos de renome do automobilismo brasileiro antes da era dourada que revelou os três campeões do mundo de Fórmula 1 e tantos outros nomes importantes que chegaram ao sucesso internacional.

Nascido em 1935 em São Paulo, Heins começou a correr aos 19 anos de idade. Ele ganhou dois apelidos, um por ser um dos pilotos mais rápidos da época - “Cometa” - e outro por ser jovem e filho de uma italiana - “Bambino”, que depois viraria “Bino”. No final dos anos 50 e no início dos 60 ele trabalhou na Porsche em Stuttgart, correndo diversas provas na Europa e, vez por outra, voltando a seu país natal também para competir.

Foi quando deu o primeiro passo para a profissionalização do automobilismo no Brasil. Em 1961, ele foi o responsável por gerir a primeira equipe de fábrica no país, a Willys. Lá revelou grandes pilotos, como Bird Clemente, José Carlos Pace e os irmãos Fittipaldi. Ao Motorsport.com, Wilson Fittipaldi lembrou bem da ajuda do amigo.

“Estava começando, com 18 para 19 anos, e conheci o Christian Heins em Interlagos. Na época tinha corrido as 12 horas de Brasília com um DKW, e venci a corrida na minha categoria. O Heins tinha ganho de Berlineta na categoria geral, e, em seguida, me fez uma proposta para ser piloto oficial da equipe Willys. Logicamente minha resposta foi sim. Era a equipe mais bem organizada e com mais recursos da época.”

No entanto, a parceria durou menos de um ano. Em 1963, Heins foi convidado para fazer as 24 Horas de Le Mans. Ele foi e liderava sua categoria (700 a 1000cc) na quinta hora da corrida, quando o motor Aston Martin do neozelandês Bruce McLaren estourou e deixou uma quantidade próxima a 20 litros de óleo na pista. Heins não conseguiu evitar o acidente, perdendo o controle do carro e batendo em um poste de iluminação após capotar. Ele morrera na hora graças à violência do impacto e pelas as chamas que tomaram conta de seu carro.

Wilsinho lembra dos dias que antecederam a tragédia: “Ele me avisou que estava indo dali uma semana para Le Mans para participar das 24 horas pela equipe Alpine. Foi interessante: ele me deu a notícia, mas não o senti alegre. A expressão do rosto dele e a forma com que ele usou as palavras não diziam que ele estava muito contente. Coincidência ou não, ele foi para Le Mans, teve o acidente e faleceu.”

Oito anos depois, quando sua mulher Suzi esperava um filho, Wilson teve a ideia de fazer uma homenagem. “Conversei na época com minha esposa e falei: 'Olha tenho uma ideia de um nome. Vamos botar Christian porque estou me lembrando do Christian Heins'. Ela concordou na hora, não só pelo Heins, mas porque também achávamos o nome bonito.”

Curiosamente, Wilson viu, de 2006 a 2008, seu Christian participar da mesma corrida que tirou a vida de Heins em 1963. No entanto, segundo ele, nada além de coincidência.

“Fiquei preocupado, mas a vida é cheia desses imprevistos. Mas não imaginava que pudesse acontecer algo assim com meu filho. Ele participou de Le Mans e depois das 24h de Daytona. Venceu em Daytona [2004 e 2014], venceu as 24h de Spa-Francorchamps [1993] e venceu as 12h Sebring também [2015]”, recordou.

“Ele também venceu as Mil Milhas Brasileiras, que foi uma corrida importante porque corri junto com ele de Porsche [1994]. Meu maior sonho era participar de uma corrida junto com o Christian, meu filho. Não só consegui participar com ele como também vencemos a prova.”

Atualmente Christian corre na United SportsCar nos EUA, onde se sagrou campeão ao lado de João Barbosa no ano passado.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Le Mans
Pilotos Christian Fittipaldi
Tipo de artigo Entrevista