Di Grassi: “objetivo é terminar campeonato no top-3”

Brasileiro, representante da Audi no Mundial de Endurance, fala sobre dificuldades e perspectivas do time de Ingolstadt na segunda metade da temporada, em entrevista exclusiva para o Motorsport.com

Lucas di Grassi marca presença no Mundial de Endurance desde a primeira temporada do campeonato – a estreia aconteceu em 2012, nas 6 Horas de São Paulo. No ano seguinte, o brasileiro disputou as 6 Horas de Spa-Francorchamps e as 24 Horas de Le Mans. No ano passado, di Grassi assumiu a posição de titular no carro #8, substituindo Allan McNish, que se aposentou no final de 2013.

Na temporada passada, o time de Ingolstadt sofreu com um carro que não era dos mais competitivos e a concorrência esteve forte. Neste ano, entretanto, a Audi evoluiu e o trio do carro #7 – Andre Lotterer, Marcel Fassler e Benoit Treluyer – lidera o campeonato, à frente dos trios da Porsche.

Após a dobradinha – e domínio amplo – da equipe de Stuttgart nas 6 Horas de Nurburgring, di Grassi falou com o Motorsport.com, em entrevista exclusiva, sobre as dificuldades técnicas que a Audi enfrentará nas etapas restantes da temporada 2015 do WEC, dizendo que o ponto principal que dá vantagem à Porsche é a capacidade híbrida, que fará muita diferença nos circuitos que a categoria visitará até o final do campeonato.

“A partir de agora, será muito difícil de manter a liderança (entre os pilotos) por causa do sistema híbrido. Quanto mais travada a pista, mais essa energia extra fará diferença. A Porsche, com oito 8 megajoules, tem mais potência, então eles são mais velozes nas saídas de curva”, disse.

“Em uma pista como a do Bahrein, por exemplo, com uma sequência de curvas travadas e retas longas, o híbrido faz muita diferença, você consegue sair da curva muito mais rápido. Não é como em Le Mans, que você tem uma curva rápida e mantém a velocidade” afirmou o brasileiro.

Explicadas as dificuldades técnicas, o companheiro de Loic Duval e Oliver Jarvis no #8 relembrou o déficit em Nurburgring e fez prognósticos para as etapas restantes do campeonato, ressaltando que a Porsche terá vantagem em todas as pistas devido à maior capacidade híbrida.

Pelo regulamento – no que tange aos sistemas híbridos e combustível utilizado – os carros da Audi acabam tendo menos autonomia que os da Porsche. Esta é mais uma desvantagem para a equipe do brasileiro, que citou isto como uma das razões que levaram o time de Ingolstadt a perder as 24 Horas de Le Mans deste ano para os rivais de Sttutgart.

“Em Nurburgring foi difícil, Austin é difícil, Fuji, Xangai e Bahrein também serão. Quatro etapas para o final, a Porsche com oito megajoules, a Toyota com seis e nós com quatro – embora a Toyota não esteja competitiva neste ano. Nós, no entanto, melhoramos do ano passado para cá, com o mesmo regulamento, com o mesmo chassi e o mesmo carro, seis segundos em Le Mans. A Porsche estava um segundo atrás da gente ano passado e melhoraram sete este ano”, disse.

“Perdemos Le Mans no pit stop e no tempo perdido na garagem. Ficamos muito mais tempo parados nos boxes do que a Porsche. Além disso, por causa do regulamento híbrido, eles têm mais autonomia, tendo conseguido dar 14 voltas por stint em Le Mans, enquanto a gente completava 13. No total, eles param de duas a três vezes menos do que nós, o que nos atrapalhou em Le Mans e será um problema nas próximas corridas”, afirmou, explicando em seguida o que deve acontecer nas provas restantes da temporada – todas com seis horas de duração.

“Em algumas das próximas etapas, faremos sete pit stops, enquanto a Porsche fará seis. Precisamos, então, ‘ganhar um pit stop’ na pista, para conseguir tirar essa diferença depois. Temos 53 litros de diesel no tanque – para comparação, um tanque de F1 tem 150 - e o dos carros da Porsche tem 76. Isso dá uma falsa impressão de que eles têm um motor mais eficiente, o que não é verdade”, disse.

Apesar dos obstáculos, di Grassi e a Audi esperam chegar ao final do campeonato com os dois carros entre os três primeiros colocados, se possível com o #7 conquistando o título.

“O objetivo é terminar com os dois carros no top-3, acho difícil a gente (Audi) ganhar o campeonato, apesar do outro carro estar melhor. A expectativa da Audi é nós chegarmos entre os três e o outro carro também - de preferência ganhando o título. É o que vamos tentar fazer antes de começarmos os testes para o ano que vem”, concluiu o brasileiro.

Neste final de semana, pilotos e equipes do WEC voltam às pistas para a disputa das 6 Horas do Circuito das Américas, em Austin. A largada está marcada para às 19h (de Brasília) do próximo sábado (19).

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias WEC
Pilotos Lucas di Grassi
Tipo de artigo Entrevista