Família atravessa dunas do Dakar de caminhão

compartilhar
comentários
Família atravessa dunas do Dakar de caminhão
Sergio Lillo
Por: Sergio Lillo
Traduzido por: Daniel Betting
14 de jan de 2018 13:00

Os Cabini disputam a 40ª edição do evento sul-americano na categoria caminhão com um Mercedes Unimog

O Dakar é um lugar familiar. Mas os Cabini levaram o adjetivo a uma nova dimensão ao disputar pai, filho e filha a edição de 2018 do rali mais duro do mundo.

Antonio Cabini, de 61 anos, já disputou 12 edições do Dakar desde sua estreia na África em 1996 com uma moto. No ano passado ele conseguiu levar o PandaDakar até a linha de chegada após sua quinta tentativa de terminar a mítica corrida.

Mas desta vez ele será acompanhado na cabine do Mercedes Unimog # 533 da equipe italiana Orbica Raid por sua filha de 24 anos, Raffaella.

Estudante de Física, a jovem é regular das corridas de enduro e rali na Itália com seu irmão Carlo Augusto, 19 anos, o participante mais jovem deste Dakar.

"Estávamos inscritos com dois caminhões e então Giulio [Verzeletti] quis inscrever o terceiro e havia lugares livres. Então eu disse 'é hora de fazê-lo todos juntos'. Já fiz 12 Dakar. Eles são apaixonados porque fazem motocross, enduro e rali e aproveitamos a ocasião".

O rosto de Carlo se ilumina quando lhe perguntam o que ele pensou quando ouviu a proposta de seu pai: "É algo ótimo, supergenial. No momento eu corro com a moto, mas não sei se posso vir aqui com ela. Espero que eu possa correr algum dia aqui. Mas primeiro você tem que chegar lá com o caminhão”.

"Exato!" Responde Raffaella. "Eu pensei que seria uma grande experiência, uma boa oportunidade e depois fiquei um pouco indecisa por causa da Universidade, mas essa ocasião assim seria difícil de repetir, então eu vim".

E o que acontecerá com os exames de fevereiro? "Eu decidi não estudar, porque de outra forma teria sido uma loucura", disse rindo a jovem italiana, que se apresentará para a sessão de verão.

Ela é uma das 13 mulheres que disputam este Dakar 2018 e sabe quem é a sua referência: "Claro que gostaria de conhecer Laia Sanz (espanhola que disputa o Dakar nas motos) pessoalmente, espero que estes dias!".

O primeiro dia não foi difícil para os Cabini, embora para um deles fosse ainda menos.

"Depois da primeira duna, ficamos presos, mas enfrentamos bem o calor ", diz Carlos Augusto, que compartilha a cabine com Nicola Montecchio e Loris Clubini no # 535.

"Porque só eles têm ar condicionado!" Raffaella e Antonio saltam em uníssono. A mãe e uma irmã menor vieram apoiá-los em Lima, mas no domingo eles voltaram para a Itália depois de sofrer no intenso tráfego peruano por vários dias.

"Mais cedo ou mais tarde minha esposa esperava que algo desse tipo acontecesse porque ela se casou com alguém que fez muitos Dakar. E eles andam de moto... já são introduzidos neste mundo", diz o pai Cabini.

Essas crianças viverão as duas melhores semanas de suas vidas no meio de dunas, areia, chuva, altitude e um campo que ampliará sua família. A primeira grande aventura: a noite de sono sob o caminhão no meio do deserto depois de ter problemas no segundo e diabólico estágio.

 

Próxima Dakar matéria
Varela domina estágio e abre vantagem no Dakar

Previous article

Varela domina estágio e abre vantagem no Dakar

Next article

Dakar cancela estágio Tupiza/Salta de segunda-feira

Dakar cancela estágio Tupiza/Salta de segunda-feira
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Dakar
Evento Dakar
Autor Sergio Lillo
Tipo de matéria Conteúdo especial