DTM cogita usar regras GTE como plano B para o futuro

compartilhar
comentários
DTM cogita usar regras GTE como plano B para o futuro
Jamie Klein
Por: Jamie Klein
Co-autor: Roman Wittemeier
6 de fev de 2018 19:35

Categoria alemã estuda possibilidade de usar o mesmo regulamento do WEC e IMSA caso não consiga estabelecer parceria com o Super GT japonês

O DTM considera adotar as regras GTE como plano B caso a intenção de dividir a plataforma com o Super GT não dê certo, apurou o Motorsport.com.

O anúncio surpresa de que a Mercedes sairia do DTM ao fim de 2018 reacendeu a intenção que estava estagnada de alinhar as regras com o Super GT japonês a partir de 2019.

Demonstrações foram realizadas em Hockenheim e Motegi no ano passado com carros de ambas as categorias, com o presidente do ITR, Gerhard Berger, declarando sua intenção em trabalhar com a organização do Super GT para criar regras comuns e realizar uma corrida entre as duas séries.

Contudo, o Motorsport.com entende que o interesse das fabricantes japonesas envolvidas com o Super GT – Nissan, Honda e Lexus – em se juntar a BMW e Audi no DTM é pequeno.

Isso significa que as chances da categoria encontrar um terceiro fabricante para 2019 são, no momento, altamente improváveis.

Diante desse cenário, acredita-se que o ITR esteja considerando uma rota alternativa que poderia ser adotada em 2020: usar o regulamento GTE que é utilizado tanto pelo WEC quanto pela IMSA, dos Estados Unidos.

“As pessoas já estão chamando de ‘GTM’ por brincadeira”, disse o chefe da Porsche no GT, Frank-Steffen Walliser, ao Motorport.com.

“Um campeonato alemão com carros GT é algo que podemos imaginar, claro. Os carros da GTE podem fazer corridas mais curtas, com ou sem reabastecimento, com ou sem trocas de pneus.”

“Tudo é preparado, tudo é possível imediatamente. Se as montadoras querem isso? Não sei.”

Uma mudança para as regras GTE permitiria que a BMW continue na categoria com seu M8 GTE, além de abrir a possibilidade de fabricantes como Porsche, Ferrari, Ford, Aston Martin e Corvette.

A Audi, enquanto isso, seria obrigada a produzir carros GTE ou deixar o campeonato.

“O GTE da FIA é padrão”, continuou Walliser. “Até há carros clientes, pelo menos de três fabricantes [Corvette, Ferrari e Porsche].”

“Os carros da GTE conseguem sobreviver a colisões, e a aerodinâmica não é tão sensível a ponto de, se uma peça faltar, você não conseguir continuar.”

Próxima DTM matéria
Bicampeão Ekstrom deixa DTM e abre lugar para Frijns

Previous article

Bicampeão Ekstrom deixa DTM e abre lugar para Frijns

Next article

Fora da F1, Wehrlein confirma retorno ao DTM pela Mercedes

Fora da F1, Wehrlein confirma retorno ao DTM pela Mercedes
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria DTM
Autor Jamie Klein
Tipo de matéria Últimas notícias