DTM estuda mudar de nome para ampliar apelo internacional

compartilhar
comentários
DTM estuda mudar de nome para ampliar apelo internacional
Traduzido por: Daniel Betting
20 de ago de 2018 15:49

O chefe do DTM, Gerhard Berger, diz que a mudança de nome da categoria está “no radar”, como tentativa de ampliar o apelo global do campeonato alemão

Ex-piloto de Fórmula 1 e chefe do DTM, Gerhard Berger, tem repetidamente declarado suas intenções de melhorar as credenciais globais da categoria desde que se tornou presidente da ITR no ano passado, e tem como alvo atrair um novo fabricante para substituir a Mercedes, que vai deixar a categoria após a atual temporada.

Berger admitiu que, olhando mais à frente, o atual nome da Deutsche Tourenwagen Masters poderia limitar a comercialização mundial da categoria.

"[O nome] tem muitas vantagens e muitas desvantagens", disse o ex-piloto ao Motorsport.com. “É sempre uma questão, mas na Alemanha há uma equipe de fãs muito forte que está por trás do DTM.”

"Mas fora da Alemanha, eles gostariam de ter um nome mais internacional. Temos [uma mudança] no radar, mas até agora nada conclusivo".

Leia também:

O chefe de automobilismo da Audi, Dieter Gass, aceitou que o apelido DTM tornou a "vida difícil para o campeonato".

"É algo que precisa ser analisado corretamente", disse. “Por outro lado, o DTM também é uma marca e todos sabem o que é o DTM. Há realmente dois lados para o assunto.”

"O 'D' em particular agora para nós, e para Gerhard conversar com potenciais novos fabricantes fora da Alemanha, é um problema."

Gass acrescentou que o DTM deve estar aberto para se transformar em um campeonato mundial completo, como o do International Touring Car Championship de 1996.

O ITC - que entrou em colapso no final daquele ano, quatro anos antes do renascimento do moderno DTM em 2000 - apresentava um calendário predominantemente europeu, mas também corria no Brasil e no Japão.

"Acho que um campeonato como [o DTM é agora] a longo prazo, puramente alemão, será bem difícil de sustentar", disse Gass. "Precisamos ser mais internacionais".

Mas Berger acrescentou que a mudança para um campeonato mundial deve demorar pelo menos mais dois anos.

“Passo a passo, temos que fortalecer primeiro nosso principal produto dentro do DTM, especialmente em países como a Grã-Bretanha ou a Itália”, disse.

“Estamos de volta, mas leva dois ou três anos para estabilizá-lo e trazê-lo de volta à frente dos fãs. Então, não é um caso único em que você terá sucesso, leva tempo.”

"Eu diria que no terceiro ano, se for adaptado em novos lugares, poderemos pensar no próximo passo."

Próxima DTM matéria
Farfus exalta trabalho da equipe em fim de semana de pódio

Previous article

Farfus exalta trabalho da equipe em fim de semana de pódio

Next article

Audi: 16 carros no grid é o mínimo para o DTM em 2019

Audi: 16 carros no grid é o mínimo para o DTM em 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria DTM
Tipo de matéria Últimas notícias