A favor dos cockpits fechados, Wurz relembra acidente

compartilhar
comentários
A favor dos cockpits fechados, Wurz relembra acidente
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
Traduzido por: Erick Gabriel
10 de set de 2015 20:15

Há dez anos, austríaco escapava de grave batida em Paul Ricard no qual saiu ileso. Ao Motorsport.com, o piloto que é o atual presidente da GPDA falou sobre a questão da segurança na F1

Bernie Ecclestone, Alex Wurz, mentor de pilotos Williams e diretor da GPDA, Charles Bradley, editor do Motorsport.com com os pilotos no lançamento da pesquisa global da GPDA
Toyota Racing: Alexander Wurz
Pat Symonds, Williams com Alex Wurz, Williams Driver presidente da GPDA
Alexander Wurz testa nova McLaren Mercedes MP4-18
Alexander Wurz testa nova McLaren Mercedes MP4-18
Alexander Wurz testa nova McLaren Mercedes MP4-18
Alexander Wurz testa nova McLaren Mercedes MP4-18
Alexander Wurz testa nova McLaren Mercedes MP4-18
Alexander Wurz testa nova McLaren Mercedes MP4-18
#2 Toyota Racing Toyota TS040 Hybrid: Alexander Wurz
#2 Toyota Racing Toyota TS040 Hybrid: Alexander Wurz
Alexander Wurz, Toyota Racing

Alexander Wurz teve sorte ao escapar sem qualquer ferimento de acidente em Paul Ricard, na França em 2005, quando o pneu traseiro de sua McLaren MP4-20 explodiu na primeira chicane do circuito.

Sem tempo de reação, Wurz se chocou contra as barreiras, antes de rodar na área de escape e bater em outra parede. Surpreendentemente ele não se feriu.

"Aparentemente foi a maior velocidade de impacto - mais de 300 km/h - em que um piloto saísse ileso", disse Wurz ao Motorsport.com.

Nas últimas semanas muito se falou sobre pneus na Fórmula 1, na esteira das críticas que a Pirelli recebeu no GP da Bélgica. Mas Wurz está consciente de que as falhas dos pneus não são um fenômeno novo e foi uma das razões de seu acidente.

"Me lembro daquele momento, em que participava de testes, no ponto alto da guerra de pneus da categoria. Eu tinha de 10 a 15 sets de pneus para escolher para o Canadá e acabei pegando aquele que estourou."

"Sabia que poderia bater o recorde da pista naquela volta, depois de ter feito isso pela manhã, mas estava lento. Quando passei pela linha de chegada/largada é que comecei a acelerar forte.

"Naquela época, os pneus podiam andar somente em uma direção. Por alguma razão, o pessoal de marketing da Michelin decidiu mudar a posição dos logos e a especificação dos pneus foi produzida de acordo com esse direcionamento."

"Mas o adesivo que indicava a posição caiu antes que fosse montado, por isso ele acabou sendo colocado do lado errado do carro. Assim que recebeu toda carga de velocidade, o pneu entrou em colapso."

"Não tive chances de reagir e as coisas aconteceram de forma muito rápida. Depois do primeiro impacto, tentei frear, mas até então o carro não tinha reação na frente, de modo que os freios não funcionaram."

"Então estava rodando em direção ao muro, mas sem freio e estava preocupado com minhas pernas, que estavam expostas, além de não querer bater minha cabeça. Por sorte, estava bem."

"O carro foi destruído e não pôde ser reparado. Então meu teste tinha terminado. Fui para casa e fiquei praticando kite surf no dia seguinte."

Esforço sem parar

Wurz hoje é o presidente da Grand Prix Drivers Association (GPDA) e está envolvido na promoção e melhora da segurança na Fórmula 1 e em outras categorias de alto nível no mundo.

Ele está ciente de que o perigo nunca será removido das competições, mas diz que é importante que o esporte evolua:

"Batidas acontecem e o esporte a motor é perigoso", explicou. "Acho que todos que aceitam entrar num carro sabem disso. Caso não, é melhor parar de correr."

"Mas, como na indústria aeroespacial, temos que reduzir a probabilidade de falhas. É por isso que você precisa de gestão de crises adequadas à evolução dos projetos."

Mantendo carros rápidos

Wurz está confiante de que a FIA fará tudo o que for possível para melhorar a segurança, mesmo que seja difícil deixar todos os pilotos felizes.

"Não dá para ficar feliz com tudo, mas estamos satisfeitos com o que está acontecendo", disse.

"Pedimos urgência às pessoas que estão envolvidas nisso e que usem todo seu conhecimento."

"Os fãs não deveriam pensar que os pilotos são covardes por quererem carros mais seguros. Não é o caso, mas ser rápido está no DNA da Fórmula 1 e você tem que resolver esse tipo de problema, em que não seja necessário diminuirmos a velocidade dos carros para a melhoria da segurança."

Cockpits Fechados

A morte de Justin Wilson rendeu discussões sobre o uso de cockpits fechados, com a FIA tentando produzir testes já com o novo conceito. A opinião divide o paddock da Fórmula 1, mas Wurz não fica em cima do muro:

"Sou fã da ideia de cockpits fechados, mas tenho que confiar na experiência de quem pesquisa sobre isso."

"Espero que os tradicionalistas, que são comuns no automobilismo, aceitem que o esporte evolui e que já percorremos um longo caminho para fazer os carros mais seguros do mundo."

"Mas ainda podemos fazer melhor, o que é bom para o esporte e bom para a indústria automotora. E se tivermos cockpits fechados, tenho certeza de que manteremos os carros da F1 os mais legais e mais sexys do mundo".

Próxima Fórmula 1 matéria
Com "pena", Hamilton não acredita em McLaren forte em 2016

Previous article

Com "pena", Hamilton não acredita em McLaren forte em 2016

Next article

Polêmica com Pirelli pode ter aberto portas da F1 à Michelin

Polêmica com Pirelli pode ter aberto portas da F1 à Michelin
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Alexander Wurz
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias