Adrian Newey: Red Bull "será forçada" a deixar a F1

Diretor técnico da Red Bull ironiza "medo" de Ferrari e Mercedes por não fornecer motores e admite que relacionamento com a Renault "acabou"

Adrian Newey afirmou que a Red Bull pode ser forçada a deixar a Fórmula 1. A marca austríaca não tem ainda um motor garantido para a próxima temporada da competição.

A Red Bull não conseguiu um acordo com Mercedes e Ferrari, após ambas se recusarem a fornecer as suas unidades de potência a uma equipe rival.

Houve a informação durante o GP da Rússia que a Red Bull já estaria disposta a seguir com a Renault, apesar do desgaste do relacionamento depois das críticas severas ao motor francês.

No entanto, Newey afirmou nesta segunda-feira ser quase impossível que a Red Bull siga competindo com os propulsores franceses.

“Possivelmente seremos forçados a sair da F1. Mercedes e Ferrari se recusaram a nos fornecer por medo”, disse Newey em entrevista à agência Reuters.

“Infelizmente o nosso relacionamento com a Renault é quase terminal – há muito do desgaste de um casamento, portanto não temos motor.”

Newey comentou que a Red Bull precisava que a Renault evoluísse o seu motor, mas afirmou que não ter certeza que a marca francesa possa conseguir reduzir a desvantagem para Ferrari e Mercedes.

“Evolução é necessária, mas não há uma direção clara de como fazer isso”, completou.

Red Bull e Renault tiveram sucesso entre 2010 e 2013, quando conquistaram quatro títulos seguidos. No entanto, desde a mudança do regulamento no ano passado, não conseguiram mais brigar com a Mercedes.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Red Bull Racing
Tipo de artigo Últimas notícias
Tags renault