Ainda sem motor, Mateschitz põe permanência na F1 em xeque

Dono da Red Bull afirma que não é possível responder questão sem garantias de que terá propulsores para carros da equipe austríaca e da Toro Rosso

A Fórmula 1 ainda corre o risco de perder duas equipes para a temporada 2016 da categoria. Tanto Red Bull quanto Toro Rosso, ambas sob o comando da empresa de bebidas energéticas, ainda não têm garantias quanto ao recebimento de motores para equipar os carros dos times no próximo ano.

Questionado sobre o tema pela revista alemã Speedweek, Dietrich Mateschitz, co-fundador e um dos proprietários da Red Bull, colocou sob dúvida a permanência da companhia na categoria - a equipe principal estreou em 2005, enquanto a Toro Rosso chegou à F1 um ano depois.

 

"Não posso dar uma resposta definitiva para esta pergunta, pois ainda não sabemos se teremos motores e quais são nossos planos para o futuro. Mas em algum momento teremos essas respostas", disse Mateschitz.

A Red Bull tem feito duras críticas à Renault, especialmente nesta temporada, e a relação entre as partes está substancialmente estremecida.

O contrato entre austríacos e franceses, teoricamente, vale até o final de 2016, mas é pouco provável que permaneça da mesma forma vista até agora - tanto o time quanto a fabricante já deram declarações neste sentido.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Red Bull Racing , Toro Rosso
Tipo de artigo Últimas notícias