Alonso: Honda fracassou por começar "do zero" a cada ano

compartilhar
comentários
Alonso: Honda fracassou por começar
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
Traduzido por: Daniel Betting
5 de out de 2017 19:09

Piloto espanhol diz que iniciar um projeto novo todos os anos foi o principal motivo para a falha da fabricante japonesa em fornecer um motor competitivo à McLaren

Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren
A fan of Fernando Alonso, McLaren
Fans of Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren fans and banner

A McLaren uniu forças com a Honda no início da temporada 2015, mas, depois de três anos frustrantes, a equipe baseada em Woking decidiu se separar no final de 2017 para adotar os motores da Renault.

A relação da McLaren com a Honda foi repleta de problemas de confiabilidade durante os testes pré-temporada, algo que Fernando Alonso considerou fundamental para o fabricante japonês não entregar um motor competitivo.

"Eu acho que os maiores problemas que enfrentamos nos últimos três anos foram os testes de inverno, porque chegamos à próxima temporada, e começamos a partir de zero", disse Alonso.

"Então nós tivemos que melhorar muito as coisas, e a Austrália foi um teste, a China foi um teste, o Bahrein foi um teste e acabamos com um pacote, uma unidade de poder, que sabíamos mais ou menos como isso funciona”.

"Isso o coloca em uma posição e com a esperança de que no próximo ano vai começar, com a lacuna está cada vez mais perto. E isso não aconteceu”.

"Toda temporada que tivemos que mudar a filosofia do motor, tivemos que mudar a posição da turbina, mudamos coisas diferentes que nos atrasaram um pouco demais em termos de desenvolvimento".

Alonso diz que ainda está "orgulhoso" de seu envolvimento no projeto, apesar da falta de resultados eventualmente levando as duas partes a seguir seus próprios caminhos.

"Há altos e baixos em todas as equipes. O bom é que eu acompanho a mentalidade japonesa, ninguém desistiu, eles ainda estão sempre trabalhando”.

"Mesmo que você esteja fora do Q1, os engenheiros passam 20 horas na frente do computador para continuar melhorando. Nós não melhoramos muito a situação, mas não foi por falta de tempo de trabalho”.

"Nós perdemos os resultados, não tivemos os resultados que esperávamos, não cumprimos nossos objetivos, não apresentamos os resultados que todos esperavam, e isso é uma pena, estamos tristes por isso”.

"Mas ainda estamos orgulhosos do trabalho que a equipe conseguiu com todas as dificuldades encontradas nos testes de inverno. Tentamos superar todos esses problemas em um período mais curto possível”.

"Eu sempre sentirei orgulhoso desse projeto, mesmo que a falta de resultados diga o contrário, e que será lembrado como um tempo ruim e frustrante".

Na véspera da última corrida com a McLaren na casa da Honda - 25 anos depois de sua parceria original ter terminado - Alonso disse que trabalhar com um fabricante japonês foi uma experiência especial para ele.

"Isso significou muito. Eu sempre amei o Japão do passado, eu tenho uma tatuagem de samurai nas minhas costas e trabalhar em uma organização japonesa era bastante intenso, foi especial, foi uma maneira diferente de trabalhar".

Próxima Fórmula 1 matéria
Renault trabalha em modo de qualificação "mágico" para 2018

Previous article

Renault trabalha em modo de qualificação "mágico" para 2018

Next article

FOTO: Gasly deixa flor em homenagem a Bianchi em Suzuka

FOTO: Gasly deixa flor em homenagem a Bianchi em Suzuka

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Fernando Alonso
Equipes McLaren
Autor Adam Cooper
Tipo de matéria Últimas notícias