Análise técnica de Giorgio Piola

Análise: As mudanças na aerodinâmica da Red Bull em Spa

A equipe nunca foi considerada favorita na Bélgica, mas uma série de ajustes trouxe um pódio surpreendente

A Red Bull pode ter um chassi extremamente afinado, mas mesmo com os designers tentando compensar as deficiências da unidade de energia, a equipe ainda segue como a terceira força do campeonato.

As longas retas de Spa sempre fariam com que o time tivesse poucas dores de cabeça, por isso planejava implementar um plano que tentasse colocar o RB13 perto de seus rivais, mesmo que uma batalha direta pudesse estar fora do alcance.

Os treinos de sexta-feira foram, como qualquer outro, já que a equipe avaliou que a asa traseira mais baixa será usada em Monza.

Red Bull RB13 rear wing, Belgium GP
Red Bull RB13 

Foto: Giorgio Piola

Isso foi algo que a Red Bull fez por vários anos, com a equipe tendo a oportunidade de testar a asa antes do GP da Itália e verificar se os dados em pista estão de acordo com o que era esperado quando foi projetado na fábrica.

A asa, testada por Daniel Ricciardo, apresenta um ângulo de ataque muito baixo e é desprovida de lâminas, que normalmente se encontram na parte superior do compartimento das placas na extremidade.

A equipe estabeleceu com bastante rapidez que os ganhos feitos nas retas mais longas no setor 1 não oferecem um ganho suficiente para superar o downforce e o tempo perdido no setor 2 e abandonou os esforços, com foco na configuração que Max Verstappen já havia começado a trabalhar.

.

Red Bull RB13 rear wing, Max Verstappen's car, Belgium GP
Red Bull RB13 de Max Verstappen

Foto: Giorgio Piola

A montagem da asa traseira foi semelhante à usada pela equipe em Baku, embora com o ângulo da aba superior alterado para atender às demandas do circuito.

A principal diferença foi a remoção da Asa T, introduzida pela primeira vez no Mônaco e utilizada desde então.

Parece que a equipe estava procurando reduzir a quantidade de downforce sendo gerada e, talvez mais importante, alterar o vortex da asa traseira.

Equilíbrio

Reduzir o nível de downforce na parte traseira do carro é uma coisa, mas não tem o mesmo efeito se não for equilibrado pelas escolhas feitas na frente.

No caso da Red Bull, como sempre, isso leva a um corte da aba superior da asa dianteira, já que os pilotos estabelecem a quantidade de carga que querem retirar do eixo dianteiro.

Ao contrário de várias outras equipes, a Red Bull não compartimentou a área externa da asa dianteira, o que significa que não pôde ajustar os ângulos, pois isso destruiria o desempenho de outras superfícies que são afetadas pela esteira do pneu.

Você verá a partir da animação que os pilotos da Red Bull tinham níveis de conforto muito diferentes quando se tratava da asa dianteira, já que a de Ricciardo foi cortada muito mais significativamente do que a de Verstappen.

Também vale a pena notar o retorno do slot da placa vertical que a equipe introduziu no Canadá e correu em cada corrida desde então , exceto em Silverstone, quando voltou a um projeto mais convencional.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP da Bélgica
Pista Spa-Francorchamps
Equipes Red Bull Racing
Tipo de artigo Últimas notícias
Topic Análise técnica de Giorgio Piola