Análise: F1 está errada em usar motores híbridos?

compartilhar
comentários
Análise: F1 está errada em usar motores híbridos?
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
6 de out de 2015 17:52

O atual ano trouxe uma novidade para a F1: a "silly season" (temporada de fofocas) de motores. Parece que a categoria tomou o rumo errado em algum ponto, como analisa Jonathan Noble

Motor Honda Formula 1
2015 Renault Energy F1 motor
2015 Renault Energy F1 motor
Jenson Button, McLaren MP4-30 detalhe da tampa do motor e suspensão traseira
Mercedes AMG F1 Team motor
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W06
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Marcus Ericsson, Sauber C34, e Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W06
Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 W06
Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 W06
Alexander Rossi, Manor F1 Team
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Largada: Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T lidera
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1
Kimi Raikkonen, Ferrari SF15-T
Romain Grosjean, Lotus F1 E23
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W06
Sergio Perez, Sahara Force India F1 VJM08
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 W06
Sergio Perez, Sahara Force India F1 VJM08
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11 à frente de Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W06
Alexander Rossi, Manor F1 Team
Pastor Maldonado, Lotus F1 E23
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 W06
Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 W06
Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 W06

O paddock da Fórmula 1, nesta época do ano, está sempre intoxicado com conversas sobre quem vai para qual equipe no próximo ano. No entanto, em 2015, todos os rumores não estão focados no mercado de pilotos, mas sim no de propulsores. Foi inaugurada a "silly season" de motores.

A caçada da Red Bull por motores, a proposta de compra da Renault sobre a Lotus, o sofrimento da Honda e o prospecto de ter a Mercedes e a Ferrari repartindo as equipes médias e pequenas do grid, tudo isso significa que a unidade de potência tomou uma dimensão muito maior do que deveria ter.

É um fato que as políticas sobre motores parecem ser o coração de tudo o que fez soar algum alarme na F1: os motores turbo híbridos são bons para o esporte, em uma análise de longo termo?

Impacto negativo

Estamos assistindo ao aumento nos custos das equipes-cliente, que recentemente empurrou a Caterham abismo abaixo, deixou a Manor muito perto disso e fez com que Sauber, Lotus e Force India enfrentassem tempos difíceis.

Há problemas na competitividade também. É bastante óbvio para o mundo que a Mercedes dominou do início ao fim esta era, com raras exceções.  E como a equipe já trabalha meticulosamente no carro de 2016, é provável que a sua dominância continue por um bom tempo. Isso não é bom para os planos de Bernie Ecclestone de atrair mais audiência.

A Mercedes fez um trabalho sensacional no motor, e quando estes novos V6 turbo híbridos estão trabalhando no seu melhor, são brilhantes. Eles são rápidos em linha reta, eles soam perfeitamente bem e a sua eficiência energética é maravilhosa.

O problema real é que uma montadora fez um trabalho muito melhor do que todo o resto, e isso traz consequências negativas para o resto da F1.

Regras são falhas

As regras que existem atualmente são extremamente complicadas e trazem problemas que certamente não foram previstos antes da elaboração do regulamento. Por exemplo, uma categoria deveria se ver em uma situação em que deve aplicar 168 punições no grid de largada, como aconteceu em Monza?

O sistema de tokens, pensado para manter os custos sob controle, também não trabalhou para o bem do esporte, pois deixou aqueles que estão atrás sem ferramentas para melhorar. É justo para a F1 que a Honda tenha de esperar uma temporada inteira para fazer modificações significativas no seu propulsor?

Que mensagem as outras montadoras que um dia já planejaram ingressar na F1 recebem quando assistem a grandes marcas como Renault e Honda enfrentar críticas públicas das suas equipes?

Os novos regulamentos híbridos foram vistos como essenciais para a F1, para que novas fabricantes pudessem entrar, e que se visse uma era de competição jamais vista.

No momento, a F1 vê uma situação em que não é impossível que a Honda e a Renault simplesmente abandonem o esporte, deixando apenas a Mercedes e a Ferrari controlando o grid. Além disso, há a ameça da Red Bull de deixar a categoria, caso não consiga um motor competitivo para 2016.

E qualquer um que siga a história do automobilismo mundial, sabe que quando uma série se torna apenas uma competição de duas marcas gastando uma fortuna, ela não tem um grande futuro em vista. Veja o exemplo do World Sportscar Championship (ITC)

Um novo caminho

Enquanto a F1 marcha para o que espera ser um novo futuro, com carros mais rápidos e desafiadores em 2017, seria um erro ignorar a situação dos motores. Há muita gente esperando que a VW/Audi receba luz verde nos próximos anos para ingressar na categoria, mas os problemas globais devem atrasar ou até mesmo vetar isso.

Pessoalmente, eu não acho que abandonar os híbridos e voltar aos V8 seja a solução. Talvez, seja hora da F1 se mover para o meio termo. Manter os bons avanços de tecnologia, mas cortar os custos, para garantir a competitividade e um futuro sustentável a todos.

 

Próxima Fórmula 1 matéria
Raikkonen acredita em grande forma da Ferrari para 2016

Previous article

Raikkonen acredita em grande forma da Ferrari para 2016

Next article

Ecclestone diz que F1 poderá ser vendida ainda este ano

Ecclestone diz que F1 poderá ser vendida ainda este ano
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Análise