Análise: Hamilton ainda não tem caminho livre para o título

Diante da variedade de pistas restantes na parte final da temporada, piloto da Mercedes precisa mostrar uma grande inteligência para conquistar seu quarto título

Embora uma vantagem de 28 pontos sobre Sebastian Vettel possa parecer pouco diante da rivalidade que vem tendo com o alemão, a natureza das pistas que se seguem no calendário pode levar a pensar que Lewis Hamilton só precisa ser inteligente para manter a vantagem e ficar com o título.

A história da campanha deste ano foi fortemente influenciada pelos diferentes conceitos de design dos carros Mercedes e Ferrari - o que permitiu que Hamilton e Vettel fossem tão dominantes em diferentes fins de semana de acordo com a pista.

A maior distância entre eixos da Mercedes com eficiência aerodinâmica brilhante e uma melhor potência (especialmente na qualificação) se destacou nos circuitos de alta velocidade, garantindo vitórias em Silverstone e Monza. Por outro lado, a Ferrari, baseia seu conceito em maior agilidade e é mais capaz de alcançar maior força aerodinâmica. Isso colocou Vettel em sua própria liga em pistas lentas, como Mônaco, Hungria e Cingapura (antes do caos da largada).

Ambos os lados compreendem os pontos fortes e fracos de seus carros e ambos estão se preparando para lugares onde eles sabem que seu rival terá a vantagem.

As últimas corridas

Com base no que vimos até agora - e supondo que nenhuma das equipes não carrega peças que mudarão seu desempenho - as corridas finais da temporada se dividem em duas fases distintas.

A primeira fase é uma que parece melhor para a Mercedes. Malásia, neste fim de semana, com longas retas e algumas curvas de alta velocidade, certamente deve ser uma zona de felicidade para as flechas de prata.

A corrida seguinte, no Japão, será muito mais equilibrada, com seções da pista que se encaixam nas características dos dois carros. A próxima corrida, em Austin, deve ser melhor para a Mercedes.

Depois de Austin, no entanto, vem uma série de pistas que provavelmente serão melhores para a Vettel e Ferrari.

Embora o México pareça ser uma pista ideal para a Mercedes, graças à longa reta, a má notícia para a equipe de Brackley é que é realmente um circuito onde máxima carga aerodinâmica é necessária.

A alta altitude da Cidade do México significa que o ar é muito mais fino, então o arrasto não é tanto uma preocupação para o equipamento, como seria em lugares mais próximos do nível do mar. Isso significa, em termos simples, que as equipes podem procurar muita carga aerodinâmica como desejam, algo que a Ferrari pode fazer melhor do que a Mercedes.

A corrida no Brasil também parece boa para a Ferrari, sendo uma pista estreita que parece ser melhor para o SF70H.

A etapa final, em Abu Dhabi, também pode ser benéfica para a Ferrari, apesar das longas retas.

Isso significa que, em teoria, há dois lugares onde a Mercedes deve manter a liderança - Malásia e Austin. Há uma pista onde as coisas ficarão muito próximas - Suzuka. E então há três onde a Ferrari parece forte: México, Brasil e Abu Dhabi.

Para Hamilton, o fato de que as melhores pistas da Ferrari chegam ao final mostra que ele não pode perder a vantagem que tem agora. Portanto, é importante chegar com uma vantagem considerável para as últimas três corridas.

Além disso, a Red Bull está pronta para tirar proveito de todos os erros e roubar algumas vitórias ou pontos importantes.

O time de Milton Keynes estava na caça à vitória em Cingapura e poderia haver mais oportunidades de se misturar com a Ferrari e a Mercedes - potencialmente podendo roubar pontos vitais para os dois candidatos.

Enquanto as longas linhas retas de Sepang não são ideais para a Red Bull, podem haver boas oportunidades no Japão, nos Estados Unidos e no Brasil.

Fator de Confiabilidade

Enquanto em termos de ritmo puro, a luta entre Ferrari e Mercedes ainda parece equilibrada, o outro elemento que não pode ser descartado é a confiabilidade.

Afinal, a grande vantagem de Hamilton no topo da classificação foi aberta apenas pelo pesadelo que Sebastian Vettel sofreu em Cingapura. Tudo o que é preciso é um deslize de Hamilton ou da Mercedes para permitir a Vettel a oportunidade de reduzir a grande diferença que o britânico acumulou em Marina Bay.

A Mercedes está muito consciente de que ele é a única das duas equipes que sofreu uma falha mecânica neste ano, com o motor de Valtteri Bottas no GP da Espanha.

A Mercedes apresentou sua quarta e última unidade de potência no GP da Bélgica, o que significa que vai gerenciar a quilometragem mais cuidadosamente nas corridas finais, enquanto a Ferrari está prestes a apresentar sua última atualização neste fim de semana na Malásia.

O GP malaio do ano passado se mostrou decisivo na batalha pelo título, enquanto a falha no motor de Hamilton, enquanto liderava, custou-lhe os pontos que teriam feito a diferença no final. Falando depois de Cingapura, Hamilton disse que ele tinha que continuar empurrando com tanta força quanto ele conseguiu manter a diferença.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Lewis Hamilton
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Análise