Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

ANÁLISE: O que há por trás da mais recente intriga tecnológica da Ferrari?

compartilhar
comentários
ANÁLISE: O que há por trás da mais recente intriga tecnológica da Ferrari?
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
22 de ago de 2018 16:50

Fãs com olhos de águia terão notado algo um pouco estranho nos preparativos de corrida da Ferrari nos últimos GPs, com a equipe jogando uma sacola fria em cima da sua câmera onboard enquanto o carro está no grid

A bolsa amarela, que acredita-se conter gelo seco, também foi vista na parte superior do carro da Ferrari durante as preparações pré-corrida na garagem, antes dos treinos e das classificações.

Como a única equipe a empregar tal tática, isso provocou algumas intrigas sobre se a Ferrari encontrou um ganho de desempenho inteligente ou se isso é simplesmente uma tática de desvio para tirar o foco de algo que a equipe esteja fazendo.

A explicação oficial da Ferrari para a mudança é que a bolsa está sendo usada para resfriar os eletrônicos na câmera onboard.

As câmeras são parte vital do pacote de entretenimento na F1, garantindo que elas estejam funcionando da melhor forma possível, é essencial para os fãs.

Mas com o fato de não ter havido nenhuma sugestão de superaquecimento de câmeras e, com a Ferrari sendo a única equipe a empregar tal tática, sua explicação para o que ela tem feito atraiu uma resposta cética dos rivais.

As equipes raramente fazem nada na F1 sem que haja um benefício de desempenho, então a bolsa de resfriamento da Ferrari levou a uma série de outras teorias, sem uma resposta firme ainda sobre qual é a motivação por trás disso tudo.

Alguns apontaram para o fato de que a Ferrari poderia estar usando a bolsa de refrigeração para tentar alterar a temperatura ambiente dentro da caixa de ar, em uma tentativa de fornecer um impulso temporário para o desempenho do motor.

Ferrari SF71H steering wheel

Ferrari SF71H steering wheel

Photo by: Mark Sutton

No início deste ano, os regulamentos técnicos da F1 mudaram para tentar evitar que as equipes mexessem nas temperaturas da caixa de ar, em meio a temores de que poderiam ser feitos esforços para um ar superfrio melhorar o desempenho.

O Artigo 5.6.8 do regulamento de 2018 estabelece que as temperaturas do motor devem ser agora mais de 10 graus acima da temperatura ambiente.

No entanto, existem algumas exceções, pois as regras indicam que a temperatura não precisa estar acima desse limite em todos os momentos do evento.

"A primeira volta da corrida, as voltas realizadas durante o safety car, as voltas antes e depois de pit stops e quaisquer voltas que sejam óbvias anomalias (conforme julgado pelo comissário técnico) não serão usadas para avaliar a temperatura média", afirma o livro de regras da F1.

Poderia a Ferrari ter encontrado uma maneira de aumentar o desempenho do motor para a classificação e o início da corrida, resfriando o ar que entra na unidade de potência?

Ou poderia o resfriamento estar relacionado com a temperatura do MGU-H? Se a Ferrari conseguir obter mais desempenho do seu sistema de recuperação de energia nos estágios iniciais de uma corrida, permitindo que ela funcione em uma janela operacional mais fria, então isso poderá pagar dividendos.

Uma outra teoria é que a bolsa de refrigeração está sendo usada não para um ganho de desempenho final, mas como a maneira de ajudar a Ferrari a manter qualquer vantagem que já tenha, bloqueando o que seus rivais podem ver.

Na verdade, imagens de Ferraris no grid em Hockenheim e na Hungria mostraram que quando a bolsa estava no lugar, ela bloqueava convenientemente a lente da câmera - ou seja, os preparativos antes da corrida dentro do cockpit e mais especialmente as configurações do volante.

Não é segredo que a Ferrari teve um início brilhante nas últimas corridas, o que levou a investigações profundas da rival Mercedes para tentar recuperar o terreno perdido.

Uma área de intriga em torno de fortes largadas da Ferrari tem sido o uso de um elemento de controle extra que está escondido abaixo de um revestimento de silício na frente do volante da equipe, como é destacado no desenho abaixo de Giorgio Piola.

Sebastian Vettel steering wheel, Ferrari SF71H

Sebastian Vettel steering wheel, Ferrari SF71H

Photo by: Giorgio Piola

A análise do início da corrida de ambos os pilotos da Ferrari mostra a eles o controle (que é um botão ou um fulcro) com os polegares (Vettel à esquerda e Raikkonen à direita) assim que a sequência de largada estiver em andamento e depois soltá-lo quando as cinco luzes vermelhas se apagarem.

O que esse controle faz é desconhecido, mas é um elemento novo para este ano e provavelmente está sendo usado para ajudar os pilotos a alcançar a saída perfeita.

Com as ultrapassagens ficando tão difíceis na Fórmula 1 neste ano, ganhar lugares no início assumiu grande importância, o que torna perfeitamente lógico o motivo pelo qual a Ferrari faria todo o possível para manter os segredos de suas fugas longe do olhar indiscreto dos rivais.

Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H on the grid

Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H on the grid

Photo by: Mark Sutton / Sutton Images

Próxima Fórmula 1 matéria
Rumores de demissão fizeram Hartley mudar foco

Previous article

Rumores de demissão fizeram Hartley mudar foco

Next article

Haas estabelece objetivo de fazer mais de 100 pontos em 2018

Haas estabelece objetivo de fazer mais de 100 pontos em 2018
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari Shop Now
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Análise