Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: artimanhas por trás do duto-S da Mercedes

Giorgio Piola e Matt Somerfield falam sobre tudo o que está por trás do duto-S interno da Mercedes

O duto-S da Mercedes já foi analisado por nós em várias ocasiões no período que antecedeu a temporada de 2016. No entanto, mais detalhes sobre o seu funcionamento interno podem ser revelados após o GP da Austrália.

Mercedes W06 front suspension bay
Mercedes W06 suspensão dianteira

Foto: Giorgio Piola

A primeira vez que se tornou evidente que um duto-S poderia estar na agenda para 2016, foi quando a Mercedes testou uma solução provisória no GP do Brasil na última temporada.

O teste foi concluído durante os treinos livres e feito em combinação com um layout de suspensão diferente, que exigiu uma ampla revisão da caixa de pedais e reservatórios dos freios. Isso levou o time a perder uma grande quantidade de tempo voltando para sua configuração padrão durante o resto do fim de semana.

O duto-S testado no Brasil foi um bom sinal para a equipe, o que os ajudou a entender o conceito para trabalhar em 2016. A medida estava longe de estar refinada.

Mercedes W07 new nose
Mercedes W07 novo bico

Foto: Giorgio Piola

O estilo da Mercedes de duto-S é uma revelação, já que os regulamentos estabelecem que não podem haver furos - exceto para o resfriamento dos pilotos - 150mm na frente do eixo da roda dianteira no bico.

Para isso, um truque geometricamente inteligente, semelhante ao usado pela Force India com seu bico de “narinas”, é usado para vencer a regra da seção única. O que significa que, uma tomada de ar pode estar em qualquer ponto do conjunto sem que haja discernimento.

Mercedes W07 nose, outline
Mercedes W07 bico

Foto: Giorgio Piola

A meta de burlar os regulamentos desta forma significa que os designers têm tido preocupação na direção do fluxo de ar em um ponto onde pode se tornar turbulento para ajudar outras estruturas aerodinâmicas.

Isso também melhora a forma como o fluxo de ar se move através dos dutos, abaixo do bico e pela superfície do chassi.

Ferrari F2008 "F" wing hole Spain
Ferrari F2008 bico "F", usado no GP da Espanha

Foto: Giorgio Piola

Isso coloca o duto-S da Mercedes mais perto de uma solução como a usada no F2008 da Ferrari do que a adotada pelas equipes após as mudanças de regra em 2009.

O fluxo de ar recolhido pelas duas entradas debaixo do bico passa através do tubo, que é dividido em dois, permitindo que a geometria burle a regra de um bico totalmente unido.

 

Mercedes W07 "S" duct
Mercedes W07 duto-S

Foto: Giorgio Piola

O painel que cobre, além do duto-S, os elementos de suspensão, apresenta dois furos formados para permitir a passagem do fluxo de ar para a saída mais atrás, colocando assim o fluxo de ar de uma forma inconsistente de volta para a superfície do chassi, melhorando assim o desempenho.

Scuderia Toro Rosso STR11 S duct
Scuderia Toro Rosso STR11 duto-S

Foto: Giorgio Piola

A Toro Rosso está empregando uma tática semelhante com o seu bico, que também dispõe de entradas na zona de exclusão.

No entanto, ela optou por quatro entradas. As duas menores lidam com a refrigeração do piloto e dos componentes eletrônicos, enquanto as entradas maiores passam o fluxo de ar através de dutos no interior do bico e o jogam para fora na superfície do carro.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Análise
Topic Análise técnica de Giorgio Piola