Análise técnica de Giorgio Piola

Análise Técnica: as atualizações de Toro Rosso e Williams

Giorgio Piola e Somerfield olham mais de perto a mais recente atualização da Toro Rosso e analisam o desenvolvimento da Williams

Toro Rosso

É sempre impressionante o quão bem a equipe trabalha com um orçamento limitado, encontrando um ponto de desempenho que dá aos seus pilotos a oportunidade de entrar na disputa.

Na China, houve a estreia de uma nova asa traseira para avaliação, que contou com uma nova aba superior em que era esperado permitir um pequeno aumento de desempenho.

O flap apresentou duas curvaturas mais elevadas, o que sem dúvida teve um impacto sobre a forma como o fluxo de ar se move em torno de toda a estrutura.

As curvaturas levam a um comprimento da corda mais curto na seção do flap, e indicam como se controla o vórtice que fica na junção entre a aba e a placa terminal. Isso pode ser destrutivo para a geração de downforce e vem com uma significativa perda de arrasto.

A equipe já está fazendo esforços para controlar isso, com a sua solução de louvres serrilhadas na frente da placa terminal tendo um impacto sobre o gradiente de pressão.

.

Toro Rosso STR11 rear wing, detailed view, Chinese Grand-Prix
Toro Rosso STR11

Photo by: Giorgio Piola

Embora os pilotos tenham avaliado a asa traseira durante os treinos livres, eles decidiram não correr com ela na classificação e na corrida, optando pela reversão para a configuração anterior (inserção superior, acima), que contou com um ângulo muito raso de ataque e apenas duas ranhuras.

Enquanto isso, durante as sessões com pista molhadas eles também utilizaram sua aleta Y150 (abaixo).

Scuderia Toro Rosso STR11 rear detail
Scuderia Toro Rosso STR11

Photo by: Giorgio Piola

Embora não seja novo, um detalhe fascinante do STR11 que nós não cobrimos antes é a suspensão traseira vertical e a junção traseira do duto de freio, que se combinam para fazer uma grande entrada utilizada para resfriar o freios traseiros.

Williams

Os problemas da Williams continuaram na China, com o FW38 aparentemente lutando para acompanhar o ritmo de alguns dos seus rivais mais próximos, situação provavelmente agravada pelas altas pressões de pneus exigidas pela Pirelli.

Como parte dos problemas de desempenho enfrentados pela Williams em condições molhadas nos anos anteriores, a equipe criou um grupo de trabalho. Grande parte de seu foco é ver o comportamento do carro quando se muda para os compostos de chuva, que não só aumentam a altura do monoposto, mas têm uma forma diferente, mudando a temperatura e taxa de deformação.

Isso claramente tem um impacto sobre a cinemática, mas também terá um efeito limitado de aerodinâmica também. Quando consideramos a eficiência das FW36 de 2014, qualquer perda adicional no downforce sempre levará a uma diminuição de curvas de desempenho.

Com mudanças já feitas para melhorar a capacidade de curvas de baixa velocidade com o FW37 em 2015, há mais mudanças focadas em melhorar as coisas para 2016, mas até agora eles não conseguiram cumprir a promessa.

Williams FW38 front detail
Williams FW38

Photo by: Giorgio Piola

Na China, foram feitas alterações em seus dutos de freio dianteiros, com a introdução de um slot no tambor de freio, que foi equipado com uma inserção de metal e usado para a classificação.

Este foi, sem dúvida, utilizado para controlar a forma como o calor irradia a partir dos freios para o aro da roda e muda a temperatura e pressão no interior do pneu.

A equipe aproveitou a mudança nas condições climáticas na corrida e retirou a inserção de metal, tentando ganhar mais controle térmico sobre os pneus e melhorar a eficiência de frenagem.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP da China
Pista Shanghai International Circuit
Tipo de artigo Últimas notícias
Topic Análise técnica de Giorgio Piola