Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: As novidades da Haas para Montreal

Uma combinação de erros e azares serviu para enfraquecer a temporada da equipe Haas, fazendo com que o time não pudesse marcar os pontos para o ritmo que o carro possibilita.

Mas, embora uma mudança de circunstância seja certamente bem-vinda para tirar o time do sétimo lugar do campeonato de construtores, a equipe sabe muito bem que não deve se acomodar e parar de se preocupar em melhorar seu chassi.

É por isso que no Canadá a Haas introduziu a segunda fase de uma grande atualização que acredita que poderá melhorar seus resultados.

A atualização não se trata apenas de melhorar diretamente o desempenho aerodinâmico, mas também de garantir que as peças possam passar ilesas durante um fim de semana de corrida, já que a equipe teve problemas com peças se soltando.

A equipe foi forçada a sacrificar o desempenho em Mônaco, já que a FIA solicitou a remoção de alguns elementos de seus bargeboards, já que as partes acabaram por cair na pista nas corridas anteriores.

Asa dianteira

Haas F1 Team VF-18, front wing
Haas F1 Team VF-18, asa dianteira

Foto: Mark Sutton

Como precursora da atualização em grande escala do Canadá, a equipe introduziu uma nova asa dianteira e um novo halo em Mônaco, tendo testado ambos no treino após o GP da Espanha.

Apenas Grosjean usou a asa em Mônaco, mas a nova peça também chegou ao carro de Magnussen no Canadá.

A end plate triangular da asa dianteira foi deslocada na atualização, alterando a forma como o fluxo de ar se move em torno das superfícies.

O plano principal e os flaps subsequentes também foram alterados, pois os aerodinâmicos fizeram o melhor para adaptar o comportamento diferente do pneu para 2018, reduzindo a turbulência criada e melhorando o desempenho.

Alterações Câmera/Halo

Os pods da câmera na lateral do bico agora também são montados em extensões, afastando-os de sua superfície para permitir que o fluxo de ar se mova mais livremente.

Haas F1 Team VF-18, halo
Haas F1 Team VF-18, halo

Foto: Mark Sutton

A carenagem do halo usada pela Haas nas cinco provas de abertura contou com uma fileira de geradores de vórtices, enquanto os projetistas procuravam melhorar o fluxo ao redor da estrutura.

Para Mônaco, a equipe encontrou uma nova solução, utilizando uma pilha de aletas muito parecidas com as que vimos em outros carros do grid.

Você notará que uma faixa serrilhada fica à frente da aleta, enquanto os projetistas tentam amortecer a turbulência criada na borda de ataque da estrutura.

Bargeboards

Haas F1 Team VF-18, barge board
Haas F1 Team VF-18, bargeboard

Foto: Giorgio Piola

É onde a maior parte da ação de desenvolvimento ocorreu para o Canadá, pois nos bargeboards é possível posicionar o fluxo de ar com mais precisão.

No topo das placas de apoio dentadas, se pode encontrar uma série de palhetas verticais de vários tamanhos e formas (seta branca). Elas irão trabalhar em harmonia umas com as outras, dependendo do ângulo de guinada do carro, a fim de melhorar o fluxo em torno dessa região.

O elemento principal do bargeboard principal agora se inclina para encontrar o chassi (seta vermelha), criando uma barreira para qualquer fluxo de ar que possa ser muito agressivo à frente.

Os defletores dos sidepods foram ajustados também, pois o elemento mais alto foi fundido com a parte que passa por cima e na frente da borda de ataque do sidepod (seta azul).

Esta parte também foi puxada mais para frente, não apenas para engatar o fluxo de ar mais cedo, mas também oferecendo um meio de disfarçar as mechas adicionadas à borda de ataque do assoalho.

Em virtude da posição agora mais avançada da placa principal, abriu-se a oportunidade de montar o pedestal do espelho nela, com uma haste mais detalhada (seta preta).

Estacas

Haas F1 Team VF-18, floor and barge board
Haas F1 Team VF-18, assoalho e bargeboard

Foto: Giorgio Piola

Uma ideia introduzida pela primeira vez pela Mercedes e, posteriormente, adotada por uma grande parte do grid são estacas na borda do assoalho.

Os regulamentos introduzidos em 2017 abriram a possibilidade de mexer no assoalho nesta região, melhorando o fluxo para a traseira do carro.

No entanto, a turbulência criada pelo pneu da frente mostrou-se problemática e, por isso, as equipes começaram a usar essas estacas para limpar o fluxo de ar, e, com ele, aumentar o potencial do difusor.

As estacas usadas pela Haas diferem daquelas usadas pela maioria do grid quando por estarem em linha, em vez de chegar até o ponto de terminação.

Em comparação, a Mercedes continua a usar três estacas (inserção superior direita), assim como muitas outras equipes que subsequentemente copiaram a solução.

Enquanto isso, a Red Bull impulsionou o conceito ainda mais na Espanha, quando introduziu um assoalho que apresenta seis desses riscos para alinhar o fluxo de ar (inserção inferior direita).

Haas F1 Team VF-18, floor
Haas F1 Team VF-18, assoalho

Foto: Mark Sutton

A área à frente do pneu traseiro também chamou a atenção dos projetistas, por conta da aba do assoalho. Os três furos completamente fechados à frente foram abandonados em favor de quatro curtos.

 
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Haas F1 Team
Tipo de artigo Análise
Topic Análise técnica de Giorgio Piola