Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: As últimas novidades da Toro Rosso

compartilhar
comentários
Análise técnica: As últimas novidades da Toro Rosso
Por: Giorgio Piola , Featured writer
Co-autor: Matt Somerfield
13 de nov de 2018 20:21

O iminente acordo da Red Bull com a Honda significa que a Toro Rosso praticamente desempenhou um papel de teste para a temporada 2019, mas isso não significa que ela tenha interrompido o desenvolvimentos do chassi

Com o final da temporada chegando, você poderia perdoar uma equipe de meio de grid, como a Toro Rosso, por desistir de melhorar seu carro atual e, ao invés disso, focar 2019.

No entanto, seu STR13 permaneceu como uma espécie de laboratório móvel. A Honda e a Red Bull lançaram as bases para o que esperam ser um bom desafio nos próximos anos.

No motor, a Honda não hesitou em usar o carro da Toro Rosso como banco de testes este ano, o que ajudou a acelerar o desenvolvimento na sua unidade de potência.

Trabalhando em estreita colaboração com a Toro Rosso, tem sido agressivo com a sua política de atualização, mesmo que isso tenha significado uma série de penalidades de grid para os pilotos.

Leia também:

Essa mudança rápida na frente do motor não é fácil para a equipe, com os resfriadores auxiliares, tubulações e outras parafernálias, todos tendo que ser reprojetados para levar em conta as alterações arquitetônicas básicas.

Mas avançar com os desenvolvimentos não ficou restrito à unidade de potência, porque na aerodinâmica dianteira, a Toro Rosso fez muito também.

Mais recentemente, a equipe introduziu em Austin uma atualização que deixou os pilotos muito encorajados.

Devido às más condições climáticas na sexta-feira, e tendo apenas um conjunto de peças, a equipe decidiu não correr o risco nos Estados Unidos.

Em vez disso, economizou sua introdução para o restante da perna americana, quando conseguiu um entendimento mais claro do aumento de desempenho que poderia proporcionar.

O novo pacote incluiu, mas não se limitou a, uma asa dianteira revisada, otimizações de defletor e um novo painel lateral.

Toro Rosso STR13 front wing endplate comparison

Toro Rosso STR13 front wing endplate comparison

Photo by: Giorgio Piola

Inspirado no caminho percorrido por alguns de seus rivais nesta temporada, o design revisado da placa terminal apresenta um final de cauda mais curto, com outra aba posicionada entre ele e a face posterior da pilha de asas (seta).

A asa também possui uma posição revisada do ajustador do flap, resultando em muito menos do flap sendo afetado por qualquer ajuste manual. Isso deve capacitar a parte externa arqueada da asa, aumentando a quantidade de fluxo que ela pode gerar.

Toro Rosso STR13 bargeboard captioned

Toro Rosso STR13 bargeboard captioned

Photo by: Giorgio Piola

A equipe também testou um novo conjunto de defletores e sidepods, pois parece melhorar o fluxo ao longo dos cantos dos carros.

Os defletores, que já foram alterados numerosas vezes neste ano, apresentavam um elemento vertical de duas peças na frente (seta vermelha).

O número de defletores também aumentou de dois para três elementos (setas brancas), alterando o ponto em que as superfícies atendem a esteira gerada pelo pneu dianteiro.

É importante notar que esse elemento também possui extensões de cauda horizontais que controlam a forma e a direção do fluxo de ar que passa por elas, de maneira semelhante a outras equipes que usam esse tipo de configuração de defletor.

Next article
Novo sistema de avaliação de acidentes da FIA estreia no Brasil

Previous article

Novo sistema de avaliação de acidentes da FIA estreia no Brasil

Next article

Wolff: não teríamos cinco títulos se não fosse por Hamilton

Wolff: não teríamos cinco títulos se não fosse por Hamilton
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Equipes Toro Rosso Shop Now
Autor Giorgio Piola