Análise técnica: os segredos ousados da Mercedes W07

A Mercedes precisou de um pouco de tempo para mostrar aos seus rivais de Fórmula 1 que está pronta para entregar outro carro líder para 2016. Mas, como Giorgio Piola e Matt Somerfield examinam, o carro é uma mudança radical ou evolução padrão?

Asa dianteira e bico 

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 Team W07 detail
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 Team W07 detalhe

Photo by: Giorgio Piola

Foi o bico que gerou a maior parte da atenção, quando o carro foi levado para fora no pitlane na quinta-feira de manhã, com todos ansiosos para capturar os detalhes do duto "S".

No entanto, a asa dianteira também contou com alguma revisão - e a equipe admitiu que tem certeza que ela seria forte o suficiente para passar pelos testes de deflexão da F1 que tem sido duros.

 

Mercedes AMG F1 W07 front wing detail
Mercedes AMG F1 W07 Detalhe da asa dianteira

Photo by: Giorgio Piola

Para os pilares de conexão da asa dianteira ficarem espaçados ao limite, mudanças foram feitas para a junção entre a zona neutra do plano principal e a região acima. No entanto, a equipe estará satisfeita se conseguir correr em sua configuração atual em Melbourne.

As alterações feitas aqui são puramente aerodinâmicas, com as alterações da geometria da superfície resultando em uma diferente integração dos gradientes de pressão. Isto altera a forma do vórtice Y250, na esperança de melhorar o desempenho downstream.

Duto S

Embora nós pensamos que ainda é melhor chamar isso de uma duto "S", ele não segue a mesma linhagem de configurações da McLaren e da Force India.

A entrada é colocada muito mais à frente do que s 150mm esperados à frente da linha central das rodas dianteiras.

Em vez disso segue-se uma filosofia de concepção semelhante à Ferrari F2008 (abaixo). A equipe está trabalhando a parte neutra da asa dianteira e inferior bico de maneira muito mais forte, mas de uma forma muito diferente do que as outras equipes.

Ferrari F2008 "F" wing hole comparison
Ferrari F2008

Photo by: Giorgio Piola

No caso da Mercedes, o “pelican underbelly” (mais escuro, abaixo da seção do nariz) não faz parte da estrutura e, provavelmente, segue a regra única da seção (3.7.8) para permitir a entrada frontal para entregar fluxo de ar para a tubagem instalada 150 mm à frente da antepara.

 

 

Palhetas de giro

Mercedes AMG F1 W07 detail

Mercedes AMG F1 W07 detalhe

Photo by: Giorgio Piola

O novo bico e asa foram também formam uma parceria por um novo conjunto de palhetas de giro, muito semelhantes na geometria aos seus antecessores. No entanto, a nova solução apresenta seis ranhuras na platina, que devem trabalhar o fluxo de ar de forma mais agressiva.

Asa de morcego

Entre as palhetas de giro está a "asa de morcego", adotada primeiramente pela Mercedes no W05, usado no W06 e por isso parece mais uma vez em 2016.

Enquanto as palhetas podem fazer muito para o fluxo de ar movendo sob e ao redor do bico, a asa morcego, que fica montada no sensor de altura, melhora o fluxo para a parte inferior do chassi, dividindo-se depois entre o bargeboards e a sidepod rebaixada.

Bargeboards

Mercedes bargeboards
Mercedes bargeboards

Photo by: Giorgio Piola

O arranjo "bargeboard" utilizado pela Mercedes a partir do dia dois do primeiro teste é, isoladamente, similar ao conceito que vimos na Lotus no passado.

No entanto, combinado com as novas cintas que estão montadas em cima, ele adiciona uma nova dimensão ao que está sendo feito nesta área.

O "bargeboard" não só ajuda a controlar o fluxo de ar em torno do sidepod rebaixado, como também ajuda com o desempenho abaixo do assoalho. Isto é de particular importância quando se considera que um carro deve criar seu máximo de downforce na guinada.

As cintas adicionadas pela Mercedes são colocadas de tal forma que elas vão ajudar o assoalho para um melhor desempenho, endireitando o fluxo e a mantendo o ângulo de estruturas aéreas de ataque.

Como é sempre o caso, é difícil examinar essas peças em isolamento, em vez disso, isso deve ser visto para ajudar a melhorar o desempenho global do carro.

Formação do sidepod  

A forma do sidepod rege-se pelos componentes que estão alojados dentro, seja eletrônica, refrigeradores de ar, radiadores, resfriadores de óleo, tubos, etc. Além disso, a produção térmica da unidade de potência deve ser considerada, com o fluxo de ar interno sendo importante para a aerodinâmica do carro operar globalmente.

 

Mercedes AMG F1 W07 detail
Mercedes AMG F1 W07 detalhe

Photo by: Giorgio Piola

Na parte traseira do sidepod, a saída de arrefecimento foi levantada, melhorando a forma como o fluxo de ar se move, melhorando o desempenho.

A Mercedes fez, sem dúvida, as mudanças com as superfícies esculpidas drasticamente, maximizando o desempenho.

O sidepod rebaixado oferece um espaço generoso para o fluxo de ar se deslocar no sidepod, tanto que a equipe pendurou outra palheta nos cantos do sidepods para definir o fluxo de ar.

No canto superior externo do sidepod, podemos ver que a equipe tem tido um enorme entalhe fora da carenagem, expondo a longarina de impacto lateral de uma forma semelhante à forma como Ferrari fez com a sua carenagem atualizada na Espanha no ano passado (abaixo).

Mercedes AMG F1 W07 detail
Mercedes AMG F1 W07 detalhe

Photo by: XPB Images

Isto fez com que as longarinas horizontais ficassem mais levantadas quando comparadas com a W06, que deve melhorar a janela de operação dos sidepods.

Mercedes AMG F1 Team W07 detail
Mercedes AMG F1 Team W07 detail

Photo by: Giorgio Piola

A caixa de ar é tão agressiva como o resto do carro, com a entrada grande combinando tanto a alimentação de turbo compressor como as "orelhas" adicionais anteriormente utilizadas na W05 e adicionados ao W06, quando as suas exigências excederam o que poderia ser conseguido com a arrefecimento padrão.

Esta é parte da razão pela qual a equipe tem sido capaz de reduzir os sidepods, com alguns dos refrigeradores deslocados para o interior.

A passagem de entrada está também inclinada para trás, aumentando ainda mais a área frontal. Enquanto isso, a inclinação mostra como o fluxo de ar se move em torno da caixa de ar rebaixada também.

Assoalho

Mercedes AMG F1 W07
Mercedes AMG F1 W07

Photo by: Giorgio Piola

O assoalho foi alterado à frente do pneu traseiro, com três peças adicionais em L colocadas com a intenção da equipe em marginalizar ainda mais os efeitos dos esguichos do pneu. Para os não iniciados, esguicho de pneus é quando o fluxo de ar é derramado pela rotação e deformação do pneu traseiro para o difusor, causando uma perda de desempenho.

Aleta Y150

Mercedes AMG F1 Team W07 detail
Mercedes AMG F1 Team W07 detalhe

Photo by: Giorgio Piola

Na parte traseira do carro, a Mercedes, como a maioria das equipes, optou por dois escapamentos wastegate, embora montado na configuração double barrel shotgun ao invés do Mickey Mouse invertido que os outros parecem ter.

Isto teve um efeito dominó para o tratamento da região do Y150, com a equipe abandonando as aletas que tinham sido montadas em ambos os lados da estrutura de acidente em 2015.

Downforce extra encontrado em outra parte por uma equipe muitas vezes pode levar a um pouco mais de instabilidade. Assim ele está usando uma aleta Y150 (monkey seat) para adicionar o equilíbrio.

É semelhante ao desenho que foi usado em 2015 nos circuitos de downforce maiores, embora com um slot adicional, aumentando a eficiência.

Conclusão

É raro para as equipes romper com uma filosofia de design evolucionário durante um período de regras relativamente estáveis, mas parece que a Mercedes está pensando nisto.

A ameaça da equipe vermelha na garagem ao lado parece ter sido suficiente para sacudir a Mercedes a produzir um carro bastante diferente para esta temporada, com as atualizações testadas durante a primeiro semana indicando que ela está preparado para convergir com outras ideias, mas de pensar fora da caixa também.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Análise