Análise técnica: os segredos para o otimismo da Ferrari

A Ferrari está otimista que pode começar a temporada de Fórmula 1 2016 no degrau mais alto do pódio. Franco Nugnes olha para os planos da equipe italiana em bater a Mercedes na Austrália.

Equipes de Fórmula 1 sabem bem o risco em relações públicas de promessas que não se cumprem totalmente, o que faz intrigante as declarações ousadas recentes da Ferrari sobre um início vitorioso em Melbourne.

O presidente Sergio Marchionne está convencido de que, já na primeira corrida, a Ferrari deve ser capaz de bater a Mercedes. Mas tudo isso é apenas uma ilusão, ou ele sabe algo que aqueles fora da equipe desconhecem?

Aqui, olhamos para os conceitos de design que Ferrari tem olhado para ultrapassar os rivais, especialmente quando se trata de fechar o déficit de potência que tem enfrentado.

Talvez o surto de otimismo de Marchionne é baseado na realidade de dados encorajadores que estão sendo desenvolvidos em Maranello, tanto em termos de aerodinâmica e, mais significativamente, em relação ao motor.

E poderia ser nesta última área - com a aceitação ampla que muito do domínio da Mercedes tem sido baseado em sua execução brilhante de unidade de potência - onde a Ferrari tem feito alguns ganhos significativos.

Segundo fontes do Motorsport.com, o foco da Ferrari no desenvolvimento de motores neste inverno - ajudado por um abrandamento das restrições de desenvolvimento - tem estado na câmara de combustão do novo motor V6 059/5.

Sugere-se que o projetista-chefe Lorenzo Sassi tem forçado uma direção inovadora, tanto em termos de design, mas também em termos de desempenho.

Um alvo que foi definido é atingir uma pressão de 300 bar na câmara de combustão, muito maior do que números do ano passado que compreendia em torno de 220-240 bar.

Operando como um diesel

O objetivo da Ferrari é reduzir o tempo de ignição, e fazer o motor funcionar de uma forma semelhante a um diesel com auto-combustão.

Se você pode conseguir o combustível para queimar antes da centelha de ignição, através de alta pressão dentro da câmara, em seguida haverá um aumento substancial na potência. É fácil de dizer, mas muito complicado de realizar.

Trombetas de admissão variável

 

Variable trumpets assembly

Giorgio Piola

Alcançar esta meta pode ser uma evolução por levar ar fresco ao interior da câmara de combustão, e a Ferrari decidiu otimizar esta área com geometria variável.

Embora as trombetas de admissão variável (foto) fossem proibidas em 2014, elas foram autorizados a partir do ano passado. Mas a Ferrari não exerceu essa rota inicialmente.

No ano passado, a Ferrari tinha o seu compressor e intercooler entre as bancadas de cilindros (ver a imagem principal) - mas estes serão movidos para abrir caminho para as trombetas de admissão variável. Haverá também maiores intercoolers de ar e água do que no ano passado.

Problemas de temperatura

Uma pressão mais elevada no interior da câmara de combustão para criar auto combustão irá, obviamente, resultar em temperaturas operacionais mais altas - talvez até 1100 ° C.

É por isso que o arrefecimento tornou-se um grande foco também - especialmente com a existência de um limite de cinco motores para os 21 GPs programados para este ano.

Parcerias mais estreitas

Ciente de como a Mercedes fez bons ganhos por meio de sua estreita relação com a Petronas, a Ferrari também está trabalhando em proximidade com o seu fornecedor de combustível Shell para entregar um produto que se encaixa nas características que quer.

Com a Magneti Marelli também tem havido revisões dos injetores para aumentar a pressão para 500 bar - e uma nova bomba de combustível de carbono.

Ferrari também está ansiosa para garantir que os ganhos de desempenho não comprometam a confiabilidade, com o chefe de motor Mattia Binotto utilizando as facilidades da AVL Graz sob a supervisão do Wolf Zimmermann, um especialista que trouxe com ele o conhecimento da Mercedes quando ele se juntou em 2014.

Trabalhos em curso

É claro que a Ferrari não está deixando pedra sobre pedra em sua tentativa de cumprir as altas metas que estão sendo estabelecidas por Marchionne. Com ainda mais de um mês para o primeiro teste, os seus esforços estão grandes, mas a prova do seu trabalho só virá quando os carros irem para a pista pela primeira vez.

Todos os olhos, em seguida, estarão em Barcelona.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Ferrari
Tipo de artigo Análise