Associação dos pilotos obtém adesão total pela primeira vez

Alexander Wurz, presidente da GPDA, diz que dado é importante para fazer com que a voz dos pilotos seja ouvida pelos dirigentes

A Associação de Pilotos de Grande Prêmio (GPDA) alcançou adesão total pela primeira vez na história recente para ajudar os chefes da F1 a melhorar a ação de dentro da pista.

O presidente da GPDA, Alex Wurz, disse que agora há a presença do grid inteiro da categoria, o que irá ajudar a que as vozes dos pilotos sejam ouvidas.

“A GPDA agora tem 100% de adesão pela primeira vez na minha lembrança recente, e talvez na história”, disse Wurz. “Então, foi um ótimo ano. A F1 está entrando em um período de evolução, mudança, e talvez até mesmo certo graude turbulência.”

“Todos os pilotos reconhecem que devem estar unidos para serem representados para encarar o desafio e evitar que qualquer política ou luta pelo poder atrapalhe a performance na pista.”

“Os pilotos acreditam que a união é fundamental para o sucesso do esporte.”

Desde que assumiu o controle da F1, o Liberty Media gastou um tempo para avaliar em quais áreas a categoria precisa de ajustes.

Na tentativa de impulsionar a imagem da categoria, a F1 realizou uma demonstração nas ruas de Londres, contratou o announcer de boxe Michael Buffer para convocar os pilotos no GP dos Estados Unidos e melhorou as atividades fora da pista para os fãs durante as corridas.

Wurz elogiou o Liberty por acatar os pedidos dos pilotos por ajustes nas regras aerodinâmicas, mas pediu para que o foco permaneça nos carros e na performance em pista.

“A GPDA exige que apenas o esporte siga como o centro das atenções e queremos envolver todos no processo de tomada de decisão”, disse.

“Todos os ajustes ao esporte devem somente ser feitos e conduzidos em prol dos melhores interesses do esporte, e não para nenhum indivíduo. É isso que uniu os pilotos – esse desejo em manter a F1 como o topo do esporte a motor.”

“Consideramos a F1 um esporte, não um show. Um piloto se refere a si próprio, corretamente, como um esportista, e não como um showman, porque ainda se trata da aspiração mais natural de um ser humano: ir mais rápido, mais alto.”

“Um ótimo esporte é o que queremos ver. Se um ótimo esporte estiver inserido de forma adequada para criar um show e uma experiência de corrida, seria, de fato, bom.”

“Se o esporte for ruim, tudo ao redor será apenas caro, não autêntico e pouco relevante. Precisamos de competição na pista, mas não criada de forma artificial.”

“Não podemos ser ingênuos sobre a situação da F1, com suas regras de administração complicadas e vários sócios importantes.”

“Decisões de negócios e poder político já danificaram o esporte o suficiente em momentos de vulnerabilidade na última década.”

“Mas a GPDA disse repetidamente que, na pista, a ação precisa melhorar, ser mais equilibrada e mais autêntica.”

“Assim, estamos felizes que o Liberty e sua pesquisa técnica sigam a sugestão da GPDA que foi dada há mais de um ano, onde pedimos por um conceito menos sensível ao fluxo de ar para poder haver competição mais próxima.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias