Balanço de meio de ano da F1: Haas e o ano de consolidação

Depois de uma estreia sólida no ano passado, a Haas passa por momento de estabilização de seu projeto na F1. Relembre como foi a primeira metade de 2017 do time americano

A Haas viveria um grande desafio em 2017: mostrar que sua segunda temporada na F1 poderia ser, no mínimo, tão forte quanto a primeira.

A Haas viveria um grande desafio em 2017: mostrar que sua segunda temporada na F1 poderia ser, no mínimo, tão forte quanto a primeira.
1/11

Photo by: XPB Images

Para isso, a equipe seguiu apostando na parceria técnica com a Ferrari e na liderança de Romain Grosjean, piloto que já havia conduzido a Haas a bons resultados em 2017.

Para isso, a equipe seguiu apostando na parceria técnica com a Ferrari e na liderança de Romain Grosjean, piloto que já havia conduzido a Haas a bons resultados em 2017.
2/11

Photo by: Haas F1 Team

A novidade veio no outro cockpit: saiu Esteban Gutiérrez, entrou Kevin Magnussen. Com dois pilotos capazes de pontuar, a expectativa da Haas era de crescer.

A novidade veio no outro cockpit: saiu Esteban Gutiérrez, entrou Kevin Magnussen. Com dois pilotos capazes de pontuar, a expectativa da Haas era de crescer.
3/11

Photo by: Haas F1 Team

Houve até uma troca de cores: a partir do GP de Mônaco, a equipe passou a usar uma pintura mais voltada ao cinza em seus carros.

Houve até uma troca de cores: a partir do GP de Mônaco, a equipe passou a usar uma pintura mais voltada ao cinza em seus carros.
4/11

O VF-17 mostrou velocidade: Grosjean foi ao Q3 na Austrália (6º), Bahrein (9º), Mônaco (8º), Áustria (7º) e Inglaterra (10º).

O VF-17 mostrou velocidade: Grosjean foi ao Q3 na Austrália (6º), Bahrein (9º), Mônaco (8º), Áustria (7º) e Inglaterra (10º).
5/11

Photo by: LAT Images

Porém, havia alguns velhos problemas a serem solucionados. Grosjean seguiu se desentendendo com os freios de seu carro, o que é uma situação recorrente desde o ano passado.

Porém, havia alguns velhos problemas a serem solucionados. Grosjean seguiu se desentendendo com os freios de seu carro, o que é uma situação recorrente desde o ano passado.
6/11

Photo by: LAT Images

Já Magnussen oscilou bastante na primeira fase da temporada. Em algumas provas, foi amplamente ofuscado por Grosjean; em outros, fez corridas de destaque – como no Azerbaijão, quando chegou a andar em terceiro.

Já Magnussen oscilou bastante na primeira fase da temporada. Em algumas provas, foi amplamente ofuscado por Grosjean; em outros, fez corridas de destaque – como no Azerbaijão, quando chegou a andar em terceiro.
7/11

Grosjean pontuou por cinco vezes: Bahrein (8º), Espanha (10º), Mônaco (8º), Canadá (10º) e Áustria (6º). Ele está em 13º no campeonato.

Grosjean pontuou por cinco vezes: Bahrein (8º), Espanha (10º), Mônaco (8º), Canadá (10º) e Áustria (6º). Ele está em 13º no campeonato.
8/11

Magnussen pontuou por três vezes: China (8º), Mônaco (10º) e Azerbaijão (7º). O dinamarquês é 14º na tabela.

Magnussen pontuou por três vezes: China (8º), Mônaco (10º) e Azerbaijão (7º). O dinamarquês é 14º na tabela.
9/11

A Haas fecha a primeira fase do campeonato em 7º na tabela, com 29 pontos – o mesmo número do ano inteiro de 2016, mas uma posição à frente.

A Haas fecha a primeira fase do campeonato em 7º na tabela, com 29 pontos – o mesmo número do ano inteiro de 2016, mas uma posição à frente.
10/11

“Estabilidade” é a palavra chave para a Haas no momento. A equipe já se comprometeu com seus pilotos para 2018 e espera consolidar seu trabalho para permanecer em crescimento no ano que vem.

“Estabilidade” é a palavra chave para a Haas no momento. A equipe já se comprometeu com seus pilotos para 2018 e espera consolidar seu trabalho para permanecer em crescimento no ano que vem.
11/11

Photo by: LAT Images
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Romain Grosjean , Kevin Magnussen
Equipes Haas F1 Team
Tipo de artigo Conteúdo especial