Barrichello dispara: "comparar Brasil ao Bahrein é horrendo"

compartilhar
comentários
Barrichello dispara:
Por: Felipe Motta
19 de abr de 2012 02:28

Em entrevista ao TotalRace, brasileiro acredita que pilotos pouco poderiam interferir na decisão de seguir adiante com GP

Rubens Barrichello

Para muitos um grave erro. Para outros uma decisão correta. A realização do Grande Prêmio do Bahrein dividiu opiniões amparadas nos mais diversos argumentos. Martin Whitmarsh, chefe da McLaren, manifestou-se favorável à corrida ao dizer que a F-1 visita outros lugares perigosos, como o Brasil.

Rubens Barrichello, que no ano passado era o presidente da GPDA (Associação dos Pilotos da Fórmula 1), não gostou das palavras do dirigente inglês. Em entrevista ao TotalRace, o brasileiro acredita que a declaração reflete uma desinformação sobre a realidade do Brasil. "Achei horrendo terem comparado [momento do Bahrein] ao Brasil. Não tem nada a ver. Não existe nenhuma guerra. Isso é da Europa de ter colocado aqueles programas de gente surfando em trem e aí as pessoas têm uma visão totalmente errada."

O saldo de toda a novela do Bahrein é que os pilotos formam uma classe desunida, frágil e pouco consciente. A conclusão, mencionada por jornalistas que respiram a F-1 de perto, foi feita após a pouca participação, ao menos pública, no episódio. Estrelas do evento, os 24 personagens que alinham na categoria mais rica do automobilismo mundial eram contrários à realização da corrida. Além de não interferirem na decisão, pouco falaram.

Rubens Barrichello, como ex-presidente da Associação que os une, garante que o grupo é coeso. "O grupo que eu deixei na F-1 é muito unido. Tinha algumas coisas de um não gostar de fazer parte da GPDA, coisa que acontece, mas eles são muito unidos. Mas fazer uma reunião onde todos concordem com a mesma coisa é impossível no dia-a-dia do mundo."

O piloto da F-Indy acrescenta que pouco poderia ser feito pelos pilotos. "Aqueles que são campeões e aqueles que já têm resultados expressivos têm uma voz ativa e conseguem decidir por eles mesmos. Mas aqueles que tiveram a chance da vida vão chegar para a equipe e falar que não vão correr? Isso é muito difícil. É muito complicado conseguir unanimidade por isso. Mas muitas decisões na época que eu estava como presidente da GPDA foram tomadas e levadas adiante."

Após o GP da Malásia, quando Felipe Massa recebeu inúmeras críticas na Itália, o site da revista Autosprint realizou uma votação sobre quem deveria ser o companheiro de Fernando Alonso na Ferrari. Barrichello venceu com folga.

"Me senti lisonjeado de ter recebido os votos. Mas aquilo foi o reflexo da opinião de torcedores e não de jornalistas ou integrantes de equipes da F-1. Isso mostra que deixei um carinho muito grande ali dentro da Itália, na Ferrari. Eu fiquei feliz por ter finalizado na ponta a enquete."

Amigo pessoal de Massa, Barrichello comenta como vê o momento do ferrarista. "O Felipe está sendo mais falado porque o carro não está competitivo. Com carro não competitivo você larga atrás e tudo pode acontecer. Na Malásia, por exemplo, os dois largaram meio pertinho [Alonso foi o 8º e Massa o 12º], e de repente o Alonso conseguiu numa escolha certa ir para frente e o Massa foi para trás. Quando você tem um carro ruim na mão, e precisa despontar quando você já está em baixa é preciso manter a calma mesmo e fazer o seu trabalhinho.

"Na F-1 é difícil você fazer seu trabalho quieto. É um ambiente muito investigado, televisão, rádio, internet investiga muita coisa. O pouco que tenho falado com o Felipe ele está numa boa. Está trabalhando para melhorar aquilo que ele tem na mão", finalizou Barrichello.

Next article
"Inspirador", Frank Williams completa 70 anos hoje

Previous article

"Inspirador", Frank Williams completa 70 anos hoje

Next article

Ferrari F643 de Jean Alesi está à venda pela Internet

Ferrari F643 de Jean Alesi está à venda pela Internet
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP do Bahrein
Autor Felipe Motta
Tipo de matéria Últimas notícias