Brasil completa 6 anos sem vencer na F1; país e mundo mudaram

compartilhar
comentários
Brasil completa 6 anos sem vencer na F1; país e mundo mudaram
Erick Gabriel
Por: Erick Gabriel
2 de set de 2015 11:00

Com período recorde sem vitórias, Brasil e planeta já passaram por diversas mudanças desde que Rubens Barrichello recebia a bandeira quadriculada em primeiro no mesmo circuito que a categoria corre no próximo fim de semana

Pódio: vencedor Rubens Barrichello, Brawn GP
Pódio: vencedor Rubens Barrichello, Brawn GP
Vencedor Rubens Barrichello, Brawn GP, celebra com sua equipe
Vencedor Rubens Barrichello, Brawn GP, celebra com Jenson Button, BrawnGP, Ross Brawn, diretor da Brawn GP, e mecânicos da BrawnGP
Race winner Rubens Barrichello, Brawn GP, celebrates with his team
Race winner Rubens Barrichello, Brawn GP, celebrates with Jenson Button, BrawnGP, Ross Brawn, Brawn GP, Team Principal, and BrawnGP team members

Quando Rubens Barrichello subiu no lugar mais alto do pódio no dia 13 de setembro de 2009, apresentando sua tradicional comemoração, a sambadinha, e permitindo ao Brasil ouvir o hino nacional na Fórmula 1 pela 101a vez , poucos imaginariam que uma potência da categoria estaria ali observando o seu último triunfo para iniciar seu maior jejum. Tanto os tiffosi presentes no Autodromo Nazionale di Monza, quanto os que acompanhavam a corrida pela televisão, testemunhavam ali a última vitória brasileira na categoria máxima da velocidade.

Neste período de jejum, o Brasil bateu na trave em quatro oportunidades, todas elas com Felipe Massa, que se recuperava de grave acidente na Hungria. Ao retornar para Ferrari, encontrou Fernando Alonso e passou pelo pior período de sua carreira na escuderia de Maranello. Lá conseguiu chegar em segundo lugar por mais três vezes e uma pela Williams, sua atual equipe. Hoje, o Brasil conta também com Felipe Nasr, jovem em quem tem depositada as fichas para o futuro na Fórmula 1.

Para ilustrar quão longo é o jejum brasileiro de vitórias, segue uma lista de fatos que mostram como o mundo já deu muitas voltas:

• Schumacher sequer tinha voltado a competir na Fórmula 1 pela Mercedes

• Adriano e Petkovic eram destaques do Flamengo, que viria a ser campeão daquele ano

• Kaká começava sua jornada no Real Madrid (passou depois por Milan, São Paulo e Orlando City)

• Lula ainda era o presidente da República

• Ronaldo "brilhava muito" no Corinthians

• Diego Armando Maradona era técnico da Argentina

• A Renault ainda era uma equipe da Fórmula 1

Romain Grosjean, Renault F1 Team• O dólar estava "apenas" na casa de R$ 1,80 (nesta terça-feira ele foi cotado a R$ 3,68, valorização acima de 100%)

• Mônica Iozzi era apenas uma novata no CQC

• Ricardo Teixeira era presidente da CBF

• Xuxa ainda era da Globo e apresentava o "TV Xuxa" aos sábados

• Vettel tinha apenas três vitórias na Fórmula 1 e nenhum título

Sebastian Vettel, Red Bull Racing

• Hélio Castroneves ainda comemorava a terceira vitória nas 500 Milhas de Indianápolis

• Felipe Massa se recuperava de grave acidente na Hungria

• Rio de Janeiro era declarada a sede dos Jogos Olímpicos de 2016

• Corintianos ouviam piadas por não terem vencido Libertadores

• Neymar fazia seus primeiros jogos como profissional do Santos

• Bruna Marquezine tinha 14 anos e era apenas uma atriz infanto-juvenil, distante de se tornar símbolo sexual

• Fátima Bernardes dividia a bancada do Jornal Nacional com William Bonner 

• O Orkut era a principal rede social dos brasileiros

• Osama bin Laden ainda era caçado pelos americanos.

Próxima Fórmula 1 matéria
Para Sergio Perez, meta é ir ao pódio até final da temporada

Previous article

Para Sergio Perez, meta é ir ao pódio até final da temporada

Next article

Kimi Raikkonen vira garoto-propaganda de bebida alcoólica

Kimi Raikkonen vira garoto-propaganda de bebida alcoólica
Load comments