Brian Hart, engenheiro que trabalhou com Senna, morre aos 77

O britânico deu nome ao motor da antiga Toleman, com o qual o brasileiro foi segundo colocado no GP de Mônaco de 1984

O inglês Brian Hart, que deu nome ao motor com o qual Ayrton Senna foi segundo colocado no GP de Mônaco de 1994, morreu aos 77 anos. O engenheiro era o dono dos propulsores da Toleman, e também teve sua carreira associada à Cosworth.

Hart foi um dos responsáveis por estabelecer a Inglaterra como centro da indústria automobilística nas décadas de 1960 e 1970. Treinando como engenheiro de aviação, foi recrutado logo no início da Cosworth, em 1958. O engenheiro trabalhava no desenvolvimento dos motores da companhia e também disputava provas em categorias menores, chegando à F-2.

Em 1969, Hart deixou a Cosworth e fundou a Brian Hart Ltd, que desenvolvia os motores de competição da Ford. Seu primeiro motor independente estreou em 1976. Dois anos depois, começou a parceria com a Toleman em categorias inferiores, com vários títulos. Em 1981, Hart construiu o primeiro motor para a Fórmula 1 da Toleman, mas o melhor resultado do motor na categoria só viria três anos depois, com o segundo posto de Senna em Mônaco. Ao final da temporada de 1987, com o fim da era turbo, Hart não tinha dinheiro para fazer seus próprios motores e voltou a trabalhar com a Cosworth.

Hart voltaria a ter seus propulsores nas temporadas 1993 e 1994, equipando a Jordan, equipe com a qual também chegou a ter sucesso. Depois, sofreu com a falta de pagamento de equipes pequenas, como Arrows e Minardi, e teve a fábrica comprada por Tom Walkinshaw em 1999. Aos 63 anos, o engenheiro se aposentou e foi morar na França. 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias