Button acha que calendário da F1 chegou à capacidade máxima

Inglês teme que equipes sintam efeito do aumento de corridas na temporada, mas ressalta: “por mim, não tem problema”

Com 21 corridas, o calendário de 2016 da Fórmula 1 é o maior da história da categoria. Com a entrada do GP no Azerbaijão e a volta da corrida na Alemanha, a temporada que vem começa no dia 20 de março e termina no dia 27 de novembro.

Quem se preocupa com isso é Jenson Button. Para o piloto, os integrantes dos times poderão ter problemas para gerir suas vidas privadas passando tanto tempo longe de casa.

"Para mim, está tudo bem, porque eu amo a corrida e gostaria que houvesse uma prova já na próxima semana", disse Button.

"Não é um problema para mim. Eu pego um avião na quinta-feira para as corridas europeias e vou embora no domingo à noite enquanto os mecânicos trabalham por muitas horas.”

"Eles passam tanto tempo longe de casa que acho que 21 corridas vai ser difícil.”

"Vai ser difícil para qualquer mecânico ou engenheiro ter um relacionamento agora. Para esses caras, isso não vai ser fácil. Eu só espero que este número não cresça para 2017, porque eu acho que vai ser coisa demais."

Button teme que o aumento de corridas seguidas possa de alguma forma representar um problema para a F1. "Acho que neste ano tivemos uma longa temporada para as equipes", disse Button.

"A primeira corrida do próximo ano é mais tarde, o que significa que vamos ter muitas provas seguidas (seis, ao todo). Isso são duas semanas longe de casa para muita gente, o que é difícil.”

"Esperemos que isso não vá mudar a forma como o esporte é, mas acho que você vai ter pessoas deixando seus papeis nos times para trabalhar na equipe de corrida.”

"Você vai ter novas pessoas chegando talvez, o que é uma pena, porque é bom ter essa atmosfera com as pessoas que você conhece e com quem trabalha por anos."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Jenson Button
Tipo de artigo Últimas notícias