Carro parece bom, mas Pastor chora morte de elefanta mascote de Maracay

Venezuelano, que essa semana viu sua cidade natal perder a elefanta Lucky, treinou com bastante gasolina e fez 14º tempo

Pastor: pensando na morte da elefanta

Durante a semana, Pastor Maldonado lamentou no twitter a morte de Lucky, uma elefanta da sua cidade natal. Ontem em Suzuka, após o primeiro dia de treinos para o GP do Japão, o venezuelano contou ao TotalRace a importância de Lucky para Maracay. “Ela era a mascote de Maracay, tinha cerca de setenta anos e todos podiam vê-la quando passavam pelo zoológico. Várias gerações cresceram na companhia dela, pois Lucky chagou à Venezuela na década de 40. Era o símbolo da cidade e todos ficaram muito tristes com sua morte”, declarou o piloto da Williams.

Apesar da tristeza por Lucky e do 14º lugar no dia, Maldonado não teve sua confiança abalada para o GP de Suzuka. O piloto revelou que treinou a segunda sessão inteira com o tanque cheio e por isso ficou tão atrás no grid. “Tive uma boa impressão do carro. Treinei com muita gasolina hoje, o que dá para perceber pelos tempos, pois ficamos atrás. Bruno fez um programa diferente e treinou leve”, disse o venezuelano, comparando com o oitavo tempo do companheiro de equipe.

Já para o treino classificatório, Maldonado espera chegar mais uma vez ao Q3. “Estamos testando algumas peças novas que chegaram e temos que buscar uma evolução para neste sábado estarmos mais competitivos. Mas pensar em Q3 é, com certeza, algo realista. Não é fácil, mas lutaremos para isso”, definiu.
 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Japão
Pilotos Pastor Maldonado
Tipo de artigo Últimas notícias