Chefe da Haas diz que F1 deveria acabar com bandeiras azuis

compartilhar
comentários
Chefe da Haas diz que F1 deveria acabar com bandeiras azuis
Por: Filip Cleeren
27 de set de 2018 20:42

Para Gunther Steiner, briga de líder com retardatário deixaria corridas mais agitadas

A questão sobre as bandeiras azuis foi colocada de volta na agenda depois que os líderes do GP de Singapura enfrentaram problemas.

O vencedor da corrida, Lewis Hamilton, lutou para encontrar uma maneira de superar Romain Grosjean e Sergey Sirotkin, enquanto Valtteri Bottas perdeu tempo com Nico Hulkenberg nos momentos finais da corrida.

Embora o diretor de corridas da F1, Charlie Whiting, tenha dito depois de Singapura que não via razão para mudar as regras, outros sugeriram que a F1 estaria melhor forçando os líderes da corrida a encontrar seu próprio caminho após o trânsito.

Uma mudança tão radical das regras é algo que Gunther Steiner, chefe da Haas, apoiaria.

"Eu concordaria com isso", disse ele. "Mas se não houvesse bandeiras azuis, [Max] Verstappen teria chegado em Hamilton e teríamos uma briga pela liderança, e teríamos mais ação ao acabar com a regra que só beneficia o cara que está em primeiro."

Ele acrescentou: "Continuamos dizendo que precisamos aproximar o grid, mas o que estamos fazendo é dizer que o cara que tem uma vantagem na frente terá uma vantagem ainda maior ao deixá-lo passar, então é tudo para os ricos."

Bottas, que perdeu muito tempo depois de não conseguir chegar perto o suficiente de Hulkenberg, acreditava que a regra dos 1s2 nunca iria funcionar em todos os lugares.

"Às vezes, essa nova regra dos 1s2 é boa e às vezes é um pouco complicado chegar perto o suficiente para acionar as bandeiras azuis, como o que aconteceu comigo em Singapura, mas também nunca será perfeito", disse.

"No final, para todos os carros da frente, é o mesmo. Às vezes você tem mais sorte, às vezes mais azar e é assim que funciona. Por enquanto, tudo bem."

A opinião do finlandês foi repetida por Fernando Alonso.

"Acho que com os carros que temos agora é bastante complicado para definir um sistema que esteja bem em todos os circuitos", disse o espanhol.

"Spa é muito fácil chegar perto de um segundo nos carros à frente, em Singapura é bastante difícil. Só por causa da natureza dos circuitos, e alguns layouts diferentes que nós temos no campeonato.”

"Mas é provavelmente mais complicado ter uma diferença variável para mostrar as bandeiras azuis. Ao mesmo tempo, há outras categorias que não têm bandeiras azuis. Você precisa jogar suas cartas, sua estratégia, com esses carros na sua frente.”

"Há opiniões e a F1 tem estado com esse sistema atual por toda a história, então não devemos nos preocupar muito com apenas um problema de corrida."

Kimi Raikkonen calculou que as dificuldades permaneceriam até que as regras fossem realmente reforçadas para punir mais os infratores.

"Acho que há muita liberdade em muitos aspectos quando você toma uma volta, e todos nós sabemos como é porque essas coisas têm sido discutidas em reuniões de pilotos praticamente todas as vezes."

Próxima Fórmula 1 matéria
Verstappen: Red Bull teve que voltar para versão antiga de motor

Previous article

Verstappen: Red Bull teve que voltar para versão antiga de motor

Next article

Vandoorne diz que chances de ficar na F1 é “quase zero”

Vandoorne diz que chances de ficar na F1 é “quase zero”
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Filip Cleeren
Tipo de matéria Últimas notícias