Chefe diz que F1 não está dando as costas para Europa

compartilhar
comentários
Chefe diz que F1 não está dando as costas para Europa
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
3 de mai de 2018 20:31

Apesar da possível entrada de Miami no calendário, Chase Carey disse que não está ignorando ‘Velho Continente’

Lewis Hamilton, Mercedes-Benz F1 W08 leads at the start of the race
Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17, Lance Stroll, Williams FW40, Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17, chase the leading pack at the start
Chase Carey, Chief Executive Officer and Executive Chairman of the Formula One Group
Chase Carey, Chief Executive Officer and Executive Chairman of the Formula One Group and Ross Brawn, Formula One Managing Director of Motorsports
Ross Brawn, Managing Director of Motorsports, FOM, and Chase Carey, Chairman, Formula One
Miami street circuit

Os planos para uma segunda corrida nos Estados Unidos avançaram nesta semana, após o surgimento da cidade de Miami nos planos da F1. A autoridade local votará na próxima semana sobre se deve ter um acordo de vários anos para sediar uma corrida da categoria.

Com os novos proprietários da F1 ansiosos para fazer uma corrida no Vietnã, há preocupações de que o esporte possa mudar seu foco para outras regiões, o que arriscaria perder alguns de seus eventos tradicionais.

O futuro do GP da Alemanha está em dúvida para além desta temporada, enquanto os chefes do GP da Bélgica também precisam de resolver uma extensão do contrato após a corrida deste ano.

Quando perguntado pelo Motorsport.com sobre Miami - que poderia ser adicionada já em 2019 – Chase Carey tranquilizou os fãs da F1, dizendo que os novos GPs não viriam à custa das principais corridas europeias.

"Temos sido muito claros desde o dia em que chegamos sobre nossos objetivos e ambições de aumentar o esporte nos EUA, e também aumentar o esporte na Ásia", disse ele.

"Estamos muito orgulhosos da corrida que temos no Texas, mas falamos sobre as cidades americanas e acho que as três melhores são Nova York, Miami e Las Vegas. Então, isso se encaixa com o que estamos falando.

"Mas, para ser claro, não será às custas do esporte na Europa, que é a base, a casa deste esporte.”

Carey acredita, no entanto, que existem grandes oportunidades para tornar a F1 mais popular, adicionando novos eventos em outros continentes.

"Este é um esporte forte na Europa, mas acreditamos que há oportunidades para o crescimento em lugares, como na China e nos Estados Unidos, as duas maiores economias mundo.”

"Anunciamos recentemente algumas iniciativas na China, quando estivemos em Xangai, e tomamos algumas medidas para fazer isso. Estamos também procurando fazer isso nos EUA.”

"Há, obviamente medidas que temos que percorrer, estamos envolvidos com outras cidades nos EUA, mas achamos que Miami seria uma cidade maravilhosa para sediar uma corrida.”

"Estamos trabalhando no processo para determinar se isso é algo que podemos unir à cidade de uma maneira que funcione para nós."

Relatos adicionais por Oriol Puigdemont

Próxima Fórmula 1 matéria
McLaren escala três pilotos para teste coletivo de Barcelona

Previous article

McLaren escala três pilotos para teste coletivo de Barcelona

Next article

Sainz diz que não se deixa enganar com bom resultado em Baku

Sainz diz que não se deixa enganar com bom resultado em Baku
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias