Chuva nos EUA faz Red Bull "programar" punição para Interlagos

Clima complicado em Austin faz Renault pensar em utilizar unidade motriz atualizada apenas no GP do Brasil

Com uma atualização na qual foram utilizados nada menos de 11 dos 12 tokens disponíveis, a Renault espera apenas utilizar seu motor de especificação nova no GP do Brasil, pulando EUA e México.

A espera na introdução do motor a combustão interna se deve ao clima instável em Austin neste final de semana. Com chuva, a potência bruta dos motores conta menos no desempenho final dos carros. Uma punição de dez posições no grid de largada poderia custar um grande resultado.

O chefe de esporte a motor da Renault, Remi Taffin, garante que o time deva ganhar 0.2s por volta. Ele justificou a escolha de não tomar a punição no Texas.

"Em primeiro lugar, se você olhar para as condições deste fim de semana, perder dez lugares no grid contra o que podemos fazer, não valeria a pena.”

"Se você for ver, o Red Bull Renault é muito melhor nessas condições. Por isso seria pior tomar uma punição de dez lugares aqui."

"Se você olhar para as outras equipes, alguns decidiram tomar punição aqui (Ferrari), o que nos faz ficar mais felizes em não sermos punidos."

A decisão de adiar a introdução de um novo motor até o Brasil também dará a Renault mais tempo para ajustar ainda mais sua atualização.

Taffin vê importância em andar com o motor melhorado. "É sempre difícil porque nós sempre dizemos que testamos muito no dinamômetro.”

"O melhor é ter os motores nos carros. Os pilotos dizem o que eles acham.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP dos EUA
Pista Circuit of the Americas
Pilotos Daniel Ricciardo
Equipes Red Bull Racing
Tipo de artigo Últimas notícias
Tags renault