Comissão que analisou caso Bianchi pede mudanças na F-1

compartilhar
comentários
Comissão que analisou caso Bianchi pede mudanças na F-1
Por: Julianne Cerasoli
3 de dez de 2014 20:11

Apesar de atribuir culpa principal ao piloto, relatório aponta fatores que podem melhorar em relação à segurança

Apesar de chegar à conclusão de que a causa inicial do acidente de Jules Bianchi no GP do Japão tenha sido o fato do piloto não ter desacelerado o suficiente em um trecho com bandeiras amarelas duplas e debaixo de chuva, a comissão que avaliou a batida propôs algumas alterações para aumentar a segurança em casos como este.

[publicidade] Quase dois meses depois do acidente, ocorrido em 5 de outubro, Bianchi segue internado, na França, apresentando um quadro de “lesão cerebral difusa” e ainda não se sabe se conseguirá se recuperar totalmente.

A primeira conclusão do relatório é de que, devido à natureza do acidente – a Marussia se chocou com um trator que fazia a remoção de outro carro, na área de escape – a utilização de cockpits fechados ou ‘saias’ nos veículos de resgate não mudaria o resultado. “Nenhuma dessas abordagens seria prática devido às grandes forças implicadas no acidente de um carro de 700kg acertando um trator de 6500kg a 126km/h.”

A comissão, formada por ex-pilotos, como Emerson Fittipaldi, e ex-chefes de equipes, como Ross Brawn e Stefano Domenicali, indicou ainda que os procedimentos de segurança foram respeitados. Assim, chegaram à conclusão de que o Safety Car não deveria ter sido acionado após o acidente de Sutil. “A interpretação seguiu 384 acidentes precedentes nos últimos 8 anos.” A fornecedora de pneus Pirelli também foi inocentada: “as características do pneu de chuva não influenciaram o acidente.”

Por fim, o segundo item das recomendações se refere a um conflito entre um sistema de segurança do carro e o freio eletrônico do carro de Bianchi, que pode ter afetado o controle do carro por parte do piloto francês.

Confira as recomendações da comissão que analisou o acidente de Bianchi:

1. Nova regulamentação para bandeiras amarelas duplas: imposição de um limite de velocidade na área de bandeira amarela dupla.

2. Software de segurança: revisão do software e suas medidas para chegar sua integridade.

3. Drenagem da pista: revisão das orientações de drenagem, incluindo pistas auxiliares.

4. Regra de duração máxima: a regra atual fala em 4h de duração máxima da prova; nova recomendação é que largada não seja dada com 4h antes do pôr do sol, exceto em provas noturnas, e que calendário seja organizado de forma a evitar épocas de chuva.

5. Super Licença: recomendação que pilotos que tenham a super licença pela primeira vez façam curso para se familiarizar com medidas de segurança.

6. Revisão do risco: rever todos os buracos em termos de segurança, como combinações de circunstâncias ainda não previstas.

7. Pneus: recomenda-se que seja possível ao fabricante prover e desenvolver pneus de chuva adequados entre as temporadas.
Próxima Fórmula 1 matéria
Lista coloca Alonso como 3º melhor de todos os tempos; Senna é apenas 19º

Previous article

Lista coloca Alonso como 3º melhor de todos os tempos; Senna é apenas 19º

Next article

Primeira passagem de Alonso na McLaren foi marcada por polêmicas

Primeira passagem de Alonso na McLaren foi marcada por polêmicas
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Julianne Cerasoli
Tipo de matéria Últimas notícias