Coughlan defende permanência de Maldonado e exalta motor Renault

Engenheiro da Williams diz que troca de Cosworth por Renault foi fundamental para que o time pudesse evoluir

Pastor aprendeu muito este ano, diz Coughlan

O Engenheiro-chefe da Williams Mike Coughlan defendeu a opção do time em manter o venezuelano Pastor Maldonado para a temporada de 2013. Em 2012 Maldonado teve um ano de altos e baixos, com ápices como a pole e a vitória em Barcelona e várias idas ao Q3, mas também com o envolvimento em vários acidentes e o acúmulo de advertências e punições.

“Na Williams ganhamos e perdemos como um time”, disse o britânico à Speed Week. “É claro que passamos por algumas situações difíceis com o Pastor, mas não é nosso estilo apontar o dedo para alguém. Ele também poderia muito bem ter argumentado que, caso tivesse um carro melhor, não ficaria apenas lutando no meio do grid com tanta freqüência”, argumentou. “E ele deve ter aprendido muito este ano”, concluiu.

Mesmo sofrendo com muitos acidentes e punições, a Williams teve um 2012 bem melhor do que o ano de 2011. Foram 76 pontos no total, contra apenas cinco no ano anterior. Coughlan credita o crescimento à troca do motor Cosworth pelo Renault, o mesmo da campeã Red Bull. “A maior vantagem foi o motor Renault: leve, potente e confiável. Isso permitiu que a gente se concentrasse inteiramente no desenvolvimento aerodinâmico e deu certo”, explicou.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Pastor Maldonado
Tipo de artigo Últimas notícias