Depois de reviravoltas na justiça, corpo de Fangio é exumado na Argentina

Restos mortais do pentacampeão da Fórmula 1 foi retirado hoje para testes de DNA para reconhecimento de paternidade para dois homens

Depois de duas reviravoltas judiciais, a exumação do corpo de Juan Manuel Fangio foi realizada hoje, às 11h no cemitério de Balcarce, cidade em que Fangio nasceu.

O procedimento foi ordenado por um juiz de Mar del Plata, cidade próxima a Balcarce, na província de Buenos Aires. O motivo seria um processo de reconhecimento de paternidade movido em 2013 por Oscar Espinoza, hoje com 77 anos.

As amostras retiradas também vão servir para comprovar - ou não - a paternidade de Fangio de Rubén Vázquez, de 73 anos, que tem requerimento aberto desde 2005.

Espinoza é conhecido dentro do ambiente do automobilismo argentino como Oscar "Cacho" Fangio. Ele também correu dentro e fora da Argentina em competições de turismo, Fórmula 2 e 3, entre outras categorias.

Em vida, Fangio nunca se casou ou teve filhos reconhecidos, mas mantinha um relacionamento com Andrea Berruet, mãe de Oscar Espinoza.

No entanto, Vazquez assegura que sua mãe, Catalina Basili, confessou em 2005 que era filho do piloto, por conta de um relacionamento com Fangio na década de 1940.

No procedimento de hoje, somente Vázquez esteve presente, ao contrário de Espinoza, que preferiu não acompanhar a exumação.

Os resultados dos exames estão previstos para o meio de setembro.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Juan Manuel Fangio
Tipo de artigo Últimas notícias