Di Grassi: F1 tem “medo” de usar cockpits cobertos

Ex-piloto da equipe Virgin em 2010, Lucas não acha que conceito do Halo seja o mais correto para a categoria

Disposta a instalar um protetor de cockpit obrigatório para os carros no próximo ano, a F1 conduzirá testes neste ano para introduzir um protetor no estilo Halo, mostrado pela Ferrari durante a pré-temporada.

Porém, o ex-piloto de F1 Lucas di Grassi avalia que a categoria deva seguir o Campeonato Mundial de Endurance, usando cockpits totalmente fechados.

"Para mim, a melhor solução é uma cobertura completa", disse di Grassi ao Motorsport.com. "É por isso que os carros de LMP têm uma cobertura completa.”

"Era aberto antes, mas a competição ficou mais dura e havia uma necessidade de melhorar a eficiência. É melhor para tudo, até a aerodinâmica.”

"Na minha opinião os carros de F1 já estão parecendo velhos. Eles continuam tentando novos conceitos, por exemplo, com o bico. Eles vêm com esses conceitos estranhos e você acaba com aquele Caterham que parecia um aspirador de pó.”

"É como se a solução deles fosse o meio caminho para uma cobertura completa. Eles vão tentar e depois vão ver que é uma porcaria. Eles estão com muito medo de cometer um grande erro, então vão até o meio do caminho para ver como vai ser.”

"Eu vi muito disso na F1, como com a asa aumentando de tamanho em 2009, que você podia ajustar. Era uma solução de baixa qualidade."

O brasileiro sente que a cobertura completa seria benéfica para a F1, tanto a partir da segurança, quanto do ponto de vista do desempenho.

"Para mim o importante é apontar uma direção para depois deixar os engenheiros fazerem o trabalho", disse ele.

"É melhor para a segurança e para a aerodinâmica. Sou a favor de uma modernização da F1. Eu realmente gosto do que a McLaren propôs e o que a Red Bull fez em 2010 (X1). Para mim, este é o próximo passo do esporte deve tomar."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias