Discussão sobre terceiro carro volta à tona nessa semana

compartilhar
comentários
Discussão sobre terceiro carro volta à tona nessa semana
Por: Julianne Cerasoli
2 de nov de 2011 23:30

Reunião do Conselho também define novos nomes para a Lotus, a Renault e a Virgin, além de discutir expansão do calendário

Domenicali defende liberação do terceiro carro

Uma das discussões em pauta nas reuniões desta semana da Comissão de Fórmula 1 é o conceito de construtor na categoria máxima do automobilismo. Algumas equipes, como a Ferrari, defendem a venda de chassis para times menores e até a adoção de um terceiro carro para os grandes. Assim, acreditam, a F-1 teria uma maior garantia de grid cheio.

“Há muita discussão no momento, que não diz respeito ao ano que vem, mas sim ao futuro. Nossa posição a respeito de haver um terceiro carro [para cada equipe] continua a mesma e acreditamos que é uma possibilidade de aumentar o número de carros no grid”, afirmou Stefano Domenicali, chefe da equipe italiana.

A ideia não é nova, mas o dirigente acredita que chegou a hora de encarar o assunto com maior firmeza.

“Sei que outros pensam de maneira diferente, o que é parte da discussão. Mas devemos colocar o mais rápido possível todos os números na mesa para ter certeza de que a situação do futuro da F-1 estará estabilizada. Talvez tenhamos de olhar bem mais adiante do que fizemos no passado.”

Além deste assunto mais 'espinhoso', a Comissão busca um consenso em relação às nomenclaturas das equipes: a Lotus deve se chamar Caterham a partir de 2012, deixando o nome atual para a Renault, enquanto a Virgin deve adotar de vez o nome do patrocinador Marussia.

O recente 'inchaço' do calendário também está em pauta. Em 2012, serão oficialmente 20 provas, ainda que Bahrein, Coreia e mesmo a estreia do GP dos Estados Unidos em Austin corram perigo. A questão é que provas em Nova Jersey e na Rússia já foram confirmadas para estrear nos próximos anos, além do interesse do GP da França voltar ao calendário alternando-se com a Bélgica.

“Ter vinte corridas, sendo muitas com longas viagens de avião é muito duro com as equipes. Acho que este é um limite, com 20 etapas. Estamos chegando a um ponto em que teremos de alternar as provas, como na Nascar”, exemplificou Martin Whitmarsh.

(colaborou Luis Fernando Ramos)

Próxima Fórmula 1 matéria
Bruno Senna não se preocupa com chance dada a Grosjean

Previous article

Bruno Senna não se preocupa com chance dada a Grosjean

Next article

Barrichello evita tom de despedida, mas pede decisão antes de Interlagos

Barrichello evita tom de despedida, mas pede decisão antes de Interlagos
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Julianne Cerasoli
Tipo de matéria Últimas notícias