Domenicali nega que chegada de Kimi seja "anti-Alonso"

compartilhar
comentários
Domenicali nega que chegada de Kimi seja
Por: Julianne Cerasoli
12 de set de 2013 10:43

Dirigente explica contratação do finlandês e espera que ter dois campeões só sirva para forçar mais o espanhol

O chefe da Ferrari, Stefano Domenicali, negou que a contratação de Kimi Raikkonen seja uma forma de intimidação a Fernando Alonso dentro da equipe. O italiano afirmou que a substituição de Felipe Massa, o qual o espanhol dominou tranquilamente nas últimas quatro temporadas, por outro campeão mundial só vai ajudar o bicampeão.

“Para quem pensa que a escolha de Kimi é de certa forma anti-Alonso, pode esquecer: na Ferrari, todos sabem que os interesses da equipe vêm em primeiro lugar e só depois aparecem os individuais. Fernando é uma peça chave para esta equipe e continuará sendo por muito tempo. Tenho certeza de que ele é inteligente para perceber que um companheiro mais forte só pode ser uma vantagem”, garantiu.

Domenicali aproveitou para destacar as qualidades de sua nova dupla de pilotos – e negar que ter dois campeões possa causar problemas internos, provocando os rivais.

“A combinação entre Fernando e Kimi é a melhor que poderíamos ter hoje na Fórmula 1, em termos de talento, experiência, espírito competitivo e a habilidade de ajudar no desenvolvimento do carro. Em relação à questão do ‘galinheiro’, lembro de torcedores de futebol que têm medo de times rivais porque eles têm atacantes muito fortes, então eles esperam que um tire a bola do outro.”

O dirigente afirmou ainda que a nova dupla não muda a forma da equipe atuar com seus pilotos. Mesmo que Felipe Massa tenha atuado como segundo piloto nas últimas temporadas, o italiano disse que isso só aconteceu devido às performances do brasileiro, abaixo das conquistadas pelo espanhol.

“Se a situação permitir que um piloto ajude o outro baseado nos pontos da tabela, é lógico e certo que isso deveria acontecer. Aconteceu no passado e acontecerá no futuro, como todos os pilotos que correram pela Ferrari demonstraram. Aconteceu com Fangio e Collins, assim como Raikkonen foi ajudado por Felipe, devolvendo o favor, e também com Felipe e Fernando.”

Domenicali também negou que a Ferrari tenha tido problemas de relacionamento com Raikkonen entre 2007 e 2009, quando o finlandês pilotava pela Scuderia. Kimi acabou sendo demitido ao final de sua terceira temporada no time, sob críticas de que não estava suficientemente motivado.

“Alguns clichês se negam a morrer! Trabalhamos com Kimi por três anos e nunca tivemos problemas. Claro que cada um tem um jeito e não podemos esperar piadas de um finlandês em italiano ou que ele se comporte como um palhaço. Acho que a combinação entre o caráter expressivo e latino de Fernando e o jeito frio de Kimi vão fazer muitos se identificarem.”

O dirigente destacou ainda a colaboração técnica que o finlandês de 33 anos traz. “Sabemos o quanto Kimi pode contribuir em um momento como esse, em que o lado técnico está mundando significativamente, como também tivemos a informação em primeira mão de James Allison sobre o progresso do finlandês nestes anos.” Ex-Lotus, Allison foi contratado neste ano pela Scuderia.

Próxima Fórmula 1 matéria
Saiba como foi a reação à contratação de Kimi pelo mundo

Previous article

Saiba como foi a reação à contratação de Kimi pelo mundo

Next article

"Foi uma situação em que todos ganharam", diz Boullier sobre Kimi

"Foi uma situação em que todos ganharam", diz Boullier sobre Kimi
Load comments