Ecclestone garante que GP do Bahrein não corre risco

Dirigente diminui recentes conflitos e afirma que as equipes "não estão nem um pouco preocupadas" com situação no país

Corrida do Bahrein não foi realizada em 2011

Nem os recentes relatos de agências de notícias presentes no Bahrein, que dão conta que violentos confrontos entre as forças militares e a população continuam ocorrendo, parecem surtir efeito na certeza dos dirigentes da F-1 de que o país está seguro o bastante para receber a categoria em abril.

“A única mensagem que recebi é que alguns jovens tiveram problemas com a polícia”, afirmou o presidente da FOM, Bernie Ecclestone, ao Telegraph. “Estamos planejando ir. As pessoas parecem confiantes de que vai dar certo ter uma corrida em dois meses.”

As equipes indicaram que farão o que for solicitado pelas autoridades esportivas, ainda que haja indicativos de que a preocupação coma situação é crescente, algo negado por Ecclestone.

“As equipes não estão nem um pouco preocupadas. Elas parecem felizes que as coisas ocorrerão sem problemas. Ano passado a decisão de não ir foi fácil, mas as coisas mudaram muito desde então.”

Em 2011, a prova barenita deveria ser a primeira do ano e foi adiada por dentro indeterminado menos de um mês antes de sua realização. O cancelamento definitivo, no entanto, só ocorreu em meados de junho, após tentativas de encaixar a prova na fase final do campeonato.

“Sempre ficamos longe da política, qualquer decisão será tomada por questões de segurança.”

Já os barenitas estão confiantes de que a corrida poderá ser realizada. Um porta-voz da organização do circuito afirmou à CNN que “será um evento excelente.” Mesmo reconhecendo que existem “pequenos levantes”, o barenita tem certeza de que “nos arredores da pista, os pilotos e equipes estarão extremamente seguros. Absolutamente. Estou totalmente convencido disso.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Bahrein
Tipo de artigo Últimas notícias