Ecclestone: Liberty não deve ignorar ameaças de separação

Proprietários da Fórmula 1 foram alertados por Bernie Ecclestone para não descartar possível ameaça de separação de Ferrari e Mercedes

Com as duas maiores equipes da F1 questionando alguns dos planos que a Liberty tem para o esporte depois de 2020, a conversa sobre uma categoria de equipes rebeldes surgiu novamente.

Embora houvesse enormes obstáculos a serem superados antes que os fabricantes pudessem pensar em tentar fazer suas próprias coisas, Bernie Ecclestone acredita que a Liberty seria tola em ignorar a possibilidade de algo ser montado.

"Conversando com pessoas como Sergio [Marchionne, CEO da Ferrari] e Toto [Wolff, chefe da Mercedes], eles não são idiotas", disse Ecclestone ao Motorsport.com.

"Eles avaliarão se é melhor que todos saiam e façam sua própria série ou se precisam de que a FIA examine as coisas? Então as pessoas vão começar a pensar no que fazer.”

“Sergio não é o cara que faz ameaças como brincadeira e depois foge.”

Horner: Não subestime a Liberty

Enquanto a F1 está se preparando para negociações duras sobre regras futuras, como a nova estrutura de premiação e redução de custos, o chefe da Red Bull, Christian Horner, acha que seria errado pensar que negociar com a Liberty será uma tarefa simples.

"As pessoas subestimam a Liberty", disse Horner ao Motorsport.com. “Eles pagaram US$ 8 bilhões por um negócio. Eles são pessoas de marketing, pessoas de TV. O esporte para eles é entretenimento, criando uma experiência melhor para o espectador e o fã.”

“Onde eles precisam acertar e onde eles têm ideias claras, é o que o produto deve ter para 2021. Eu acho que o desafio é que eles não têm alinhamento com a FIA e está em desacordo com algumas das equipes.”

"Eles têm que fazer o que é certo para seus negócios. Eles gastaram uma quantia colossal de dinheiro com isso e têm uma quantia enorme investida, então não é sobre o que é certo para equipes individuais ou para a FIA.”

“Tem que ser o que é certo para o esporte, e então isso volta para as equipes e se elas querem jogar ou não. O problema com esse processo é que você nunca vai deixar todo mundo feliz.”

Se for preciso que a Liberty incomode algumas pessoas por regras que acha que serão melhores, Horner disse: “Sim. Precisamos de liderança forte neste momento. O esporte precisa de direção forte e direção clara.”

“Você sempre terá detratores. Você sempre terá pessoas que vão separar as coisas. Mas a F1 é uma das maiores marcas do mundo. Ele tem muitos seguidores e precisa ficar no topo da pirâmide do automobilismo.”

O diretor-executivo da McLaren, Zak Brown, disse na Austrália que espera que as negociações e a política não prejudiquem a imagem da F1.

"Acho que a Fórmula 1 vai passar por um grande crescimento, mas acho que as negociações para o novo Acordo de Concorde serão fogos de artifício como nunca vimos antes", disse ele.

“Precisamos ter certeza de que a comunidade corporativa não está desanimada e preocupada com 'esta equipe vai sair, se a equipe vai sair'.”

"Porque tudo será uma negociação que será bastante dramática daqui até chegarmos a um novo [acordo]."

Relatos adicionais por Adam Cooper e Andrew van Leeuwen

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias