Empresa de bebidas insiste em compra de Force India

compartilhar
comentários
Empresa de bebidas insiste em compra de Force India
Por: Scott Mitchell
1 de ago de 2018 20:03

Rich Energy, que foi rejeitada pela Force India no início deste ano, ainda afirma que pode comprar a equipe que foi colocada em administração judicial

A Rich Energy afirmou estar negociando com a Force India ao longo de 2018, mas foi repetidamente reprimida.

Sua última tentativa foi um patrocínio de £30 milhões (quase R$ 150 milhões) e não foi considerada uma oferta que ajudaria a equipe.

Seu fornecedor de motores, Mercedes, e o patrocinador principal, a BWT, apoiaram um processo de administração judicial que foi trazida pelo piloto Sergio Pérez, já que todas as partes acreditam que a administração era a única maneira de colocá-la em posição de encontrar um comprador adequado.

No entanto, William Storey, da Rich Energy, disse a Peter Windsor, do Motorsport TV, que era um jogo “maquiavélico”.

Ele disse que seu consórcio, que afirma ser apoiado por "quatro bilionários" disse que os donos do West Ham United Football Club, David Sullivan e David Gold, tinham um contrato para comprar a equipe em maio, mas foi retido por advogados do time.

Apesar do apoio esmagador para a Force India entrar em administração judicial, Storey afirma que foi um “resultado totalmente evitável e trágico.”

Storey não “delinearia especificamente quais são os planos”, mas disse que a Rich Energy “estaria na Fórmula 1 mais cedo ou mais tarde”.

"Temos o dinheiro para isso, o modelo de negócios e as razões para isso", disse ele.

"Depois de passar seis meses trabalhando na Force India, não vamos renunciar a isso da noite para o dia."

Enquanto Storey afirma que seu grupo é “mais do que capaz de comprar a equipe e certamente está pronto para fazer isso”, acredita-se que existam quatro partes sérias também interessados na Force India.

O administrador, FRP Advisory LLP, agora tem o controle da venda, em vez do dono da equipe, Vijay Mallya.

Lawrence Stroll, pai do piloto da Williams, Lance, é considerado um candidato extremamente sério.

Outro "pai das piloto" que tem estado ligado à equipe é o bilionário russo Dmitry Mazepin, pai do Nikita Mazepin.

Dois consórcios americanos também foram ligado à operação, um envolvendo o chefe de equipe da Indy, Michael Andretti, e o pai de seu piloto Alexander Rossi, Pieter; e um que inclui o ex-chefe de franquia de beisebol Jeff Moorad.

A Rich Energy precisa convencer os administradores e credores, como a Mercedes, de que é mais confiável do que esses concorrentes bem estabelecidos.

Storey disse que sua empresa, que tem apenas alguns anos, deve ser levada a sério porque, apesar de ter apenas números modestos, há uma significativa liquidez por trás disso.

 

Próxima Fórmula 1 matéria
Protegido da Williams relata dificuldade por vaga em 2019

Previous article

Protegido da Williams relata dificuldade por vaga em 2019

Next article

Análise: A Liberty salvará a Force India da guerra da F1?

Análise: A Liberty salvará a Force India da guerra da F1?
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Force India
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias